Dilma repete gesto de Lula em evento da Petrobras

Sessão de assinaturas de jalecos, usada por Lula em eventos da Petrobras, foi repetida pela presidenta Dilma nesta sexta-feira

AE |

selo

A presidenta Dilma Rousseff repetiu nesta sexta-feira, durante inauguração da plataforma P-56, da Petrobras, gestos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em eventos como este, ao assinar seu nome no jaleco laranja vestido por diretores da companhia, autoridades presentes e alguns trabalhadores. Mas ao contrário de Lula, que por diversas vezes sujou a mão de petróleo para carimbá-las nas costas dos "companheiros", Dilma usou uma caneta própria para tecidos, já que a unidade inaugurada ainda não está em operação.

Divulgação
Dilma assina o uniforme usado pelo governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, nesta sexta-feira

A plataforma P-56 deverá começar a produzir petróleo no início de agosto no campo de Marlim Sul, na Bacia de Campos. Acompanhada do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, do governador do Rio, Sérgio Cabral, do presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, e dos diretores de Gás e Energia, Graça Foster, Abastecimento, Paulo Roberto Costa, e Exploração e Produção, Guilherme Estrella, a presidenta posou para fotos com trabalhadores do estaleiro e fez homenagem às mulheres que vão operar a unidade. 

Agência Brasil
Lula 'carimba' o uniforme da então ministra Dilma durante visita a plataforma em 2010
O próprio jaleco laranja - uniforme da Petrobras - vestido por Dilma durante a visita recebeu autógrafos dos diretores da estatal e do ministro Lobão. Assim como Lula, a presidenta foi bastante aplaudida em sua chegada pelos cerca de 8 mil trabalhadores que lotam o pátio do estaleiro para a cerimônia. 

A P-56 é considerada um marco na indústria naval, porque a unidade é a que apresenta o maior porcentual de conteúdo nacional, de 73%, acima dos 65% exigidos por lei. A plataforma terá como madrinha a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), que recebeu homenagens e posou para fotos abraçada com Dilma. 

Com capacidade de produzir um volume total de 100 mil barris por dia e 6 milhões de metros cúbicos de gás natural, a unidade foi construída como clone da P-51, entregue em 2008. Contratada por US$ 1,2 bilhão junto ao consórcio Keppel Fels Brasil/Technip em outubro de 2007, a unidade teve a maior parte de sua construção realizada no estaleiro Brasfels, em Angra dos Reis (RJ). 

Ao preço total da plataforma foram acrescidos US$ 300 milhões referentes a dois outros contratos, sendo um relativo ao fornecimento e à montagem dos módulos de compressão de gás, com a Nuovo Pignone, e outro para fornecimento, montagem, operação e manutenção dos módulos de geração elétrica, a cargo da Rolls-Royce Energy e UTC. 

O início da operação da P-56 é considerado um dos pontos fundamentais para que a Petrobras consiga cumprir seu cronograma e atingir a meta prevista para a produção média diária de 2,1 milhões de barris de óleo por dia no Brasil. No primeiro trimestre, a estatal atingiu 2,03 milhões de barris por dia.

    Leia tudo sobre: dilmapetrobrasplataforma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG