Dilma pediu para novo ministro acelerar ações do Desenvolvimento Agrário

Pepe Vargas, que assume a pasta, disse que a presidenta quer "uma grande classe média rural"

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Divulgação / Câmara dos Deputados
Deputado Pepe Vargas (PT-RS) assume Ministério do Desenvolviemtno Agrário
O novo ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, disse ao iG , por telefone, nesta sexta-feira à noite, que recebeu da presidenta Dilma Rousseff a orientação de acelerar e aprofundar as políticas do ministério.

Mais um:  Mau desempenho de reforma agrária faz Dilma trocar ministro

Integrante da Democracia Socialista, a mesma corrente interna petista do antecessor, Afonso Florence , Vargas evitou comentar os baixos índices de performance do ministério no primeiro ano do governo Dilma.

“Não tenho as estatísticas em mãos, por isso não posso falar em números”, justificou.

Segundo números oficiais, o primeiro ano do governo Dilma teve o menor número de assentamentos dos últimos 16 anos .

Vargas disse que chegou a argumentar com a presidenta que era pré-candidato à prefeitura de Caxias do Sul, cidade que já governou duas vezes, mas que Dilma ignorou o argumento.

“Disse para ela que já tinha me lançado candidato mas ela colocou que achava que eu não deveria ser”, afirmou Vargas.

“A presidenta falou que o ministério deve ser uma ferramenta para proporcionar inclusão social, produção, e criação de um grande mercado de consumo de massas. Ela quer uma grande classe média rural. Para isso temos que acelerar e aprofundar as políticas em andamento”, concluiu.

Vargas disse que embora não seja um especialista da área, tem conhecimento das questões agrárias devido aos oito anos como prefeito de Caxias do Sul.

“Na minha região temos uma agricultura familiar muito forte e como prefeito tive que desenvolver políticas para o setor. Não estava focado nisso agora mas não é algo estranho para mim”, disse ele.

Para o secretário nacional de Movimentos Sociais do PT, Renato Simões, a troca de Florence por Vargas deve melhorar a relação dos sem-terra com o governo.

“A notície é muito bem vinda. Havia uma demanda por parte dos movimentos em relação à reforma agrária”, disse ele.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG