Dilma não vai responder Bolsonaro; Líder quer pedido de desculpa

Assessoria de imprensa da Presidência da República informa que não haverá resposta à nova grosseria de deputado fluminense

iG Brasília |

A presidenta Dilma Rousseff não vai se manifestar sobre mais um ataque do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao combate à homofobia no País. Desta vez, o deputado fluminense cometeu a grosseria de sugerir que Dilma teria "amor homossexual ". A assessoria de imprensa da Presidência da República informou que não irá se manifestar sobre o assunto.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que Bolsonaro deveria "pedir desculpas ao País por mais esse vexame". O petista, porém, disse que não cabe pedido de abertura de processo no Conselho de Ética. "Quando fala da tribuna da Casa, o deputado tem direito a imunidade parlamentar para manifestar suas opiniões", completou Vaccarezza.

Não é a primeira vez que Bolsonaro entra em polêmica ao se manifestar contra o combate à homofobia nas escolas. Em março deste ano, ele sofreu um processo no Conselho de Ética depois de uma declaração considerada preconceituosa à cantora Preta Gil. No entanto, o processo acabou arquivado.

Bolsonaro também já se envolveu numa discussão com a ministra Maria do Rosário (Secretaria de Direitos Humanos), quando ela exercia o mandato de deputada federal. Na oportunidade, ele chamou a colega de "vagabunda" durante uma entrevista a uma emissora de televisão enquanto se discutia a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.  

    Leia tudo sobre: Bolsonaro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG