Dilma: não é 'concebível' ONU reformada sem o Brasil

Para presidenta, o "apreço" de Obama sinaliza um reconhecimento da importância do País

Agência Estado |

selo

A presidenta Dilma Rousseff (PT) afirmou hoje que o "apreço" sinalizado pelo presidente norte-americano Barack Obama à aspiração do Brasil de ter um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) foi um reconhecimento ao papel do País. Para Dilma, não é "concebível" o Brasil continuar sem um assento permanente no conselho da ONU.

"Hoje, somos a sétima economia do mundo, amanhã seremos a quarta, quinta. Não é concebível uma ONU reformada sem o Brasil", afirmou. A presidente fez o comentário em uma entrevista coletiva após o lançamento do programa de Prevenção e Tratamento de Câncer de Colo de Útero e de Mama, em Manaus (AM).

Dilma disse ainda que o posicionamento do Brasil em relação à Líbia é o mesmo de sempre. "Somos a favor de uma solução pacífica e, diante do que está acontecendo, continuamos com nossa posição de cessar-fogo. Essa não é uma posição só nossa, é também da Alemanha, China e Rússia", comentou. Ontem, o Itamaraty pediu o fim dos ataques na Líbia "no mais breve prazo possível".

    Leia tudo sobre: Dilma RousseffONU

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG