Dilma interrompe repouso e reúne-se com Lobão

Encontro aconteceu em Brasília apesar da recomendação médica para que presidenta repousasse

AE |

selo

Apesar da recomendação médica para que repousasse, a presidente Dilma Rousseff reuniu-se hoje à tarde com o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e com o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, por quase três horas, para discutir diversos problemas do setor. Depois de ser submetida a uma nova avaliação médica em São Paulo, Dilma embarcou para Brasília e seguiu direto para o Palácio da Alvorada. Mesmo realizando reuniões no Alvorada em dia que era para descansar, a ideia da presidente é reduzir a sua agenda e a maratona de compromissos oficiais.

Para amanhã, a presidente deverá, finalmente, fazer uma nova rodada de reuniões para tratar do problema dos aeroportos com o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt.

O médico da Presidência, Cléber Ferreira, que desde a quinta-feira diagnosticou a pneumonia no pulmão esquerdo da presidente, chegou ao Palácio da Alvorada na mesma hora que Dilma, mas em outro carro. Ele não foi visto saindo, onde a presidente passou o resto do dia.

A agenda da presidente foi mudada três vezes pela assessoria durante o dia. Primeiro, a que informava que ela teria uma reunião com Lobão pela manhã e com Bittencourt à tarde foi retirada do site, e a nova passou a dizer, apenas, que não havia agenda para este dia. Depois, por volta das 15 horas, uma nova agenda dizia apenas que ela chegou a Brasília às 12h20 e que não tinha compromissos oficiais à tarde. No entanto, às 16h30, o ministro das Minas e Energia chegou ao Alvorada para uma reunião sobre diversos assuntos do setor elétrico, que durou cerca de três horas. Esta informação só foi repassada, oficialmente, às 18h15.

Os problemas com a agenda da presidente têm sido frequentes, assim como as dificuldades de informar onde ela se encontra ou se ela vai mesmo viajar. Apesar de sua pneumonia estar diagnosticada desde quinta-feira, somente no domingo foi informada. Da mesma forma a viagem da presidente a São Paulo, para fazer exames no hospital Sírio-Libanês.

    Leia tudo sobre: ECONOMICOPOLITICA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG