Dilma discute reforma ministerial com aliados

Presidenta começa a debater mudanças no primeiro escalão do governo federal, incluindo fusão de algumas pastas

AE |

selo

A reforma ministerial, agendada para o ano que vem, já virou pauta da conversa da presidenta Dilma Rousseff com os partidos da base aliada. Ontem à noite, a presidente recebeu para um jantar no Alvorada o presidente do PT, o deputado estadual Rui Falcão (SP).

Mudança gradual: Com saída de Orlando Silva, encolhe time de Lula na Esplanada
Dilma após Palocci: O que mudou no governo?

Do cardápio, além da mexida na Esplanada, constavam pelo menos mais dois assuntos: uma radiografia sobre os candidatos do PT e as alianças para as eleições municipais do próximo ano e a avaliação sobre o comportamento da base aliada e dos petistas nas votações importantes da reta final dos trabalhos do Congresso - Orçamento, DRU e Previdência Complementar dos Servidores.

A reforma ministerial é o ponto mais complicado porque o PT não está gostando da ideia de perder ministros na fusão de algumas pastas planejada pela presidenta. Já o PMDB, por meio do seu presidente, o senador Valdir Raupp (RO), reagiu provocando os petistas ao dizer que o partido "dá total apoio ao enxugamento da máquina (da Esplanada)". Ainda acrescentou: "É muito positivo e coerente agregar alguns dos 38 ministérios."

Segundo assessores da Presidência, Dilma quer aproveitar a desincompatibilização dos ministros que vão disputar as eleições municipais, no ano que vem, para fazer a reforma - é o caso do atual ministro da Educação, Fernando Haddad, que vai disputar a prefeitura de São Paulo. Além da troca desses ministros, Dilma confidenciou o plano de incorporar as mulheres no guarda-chuva do Ministério dos Direitos Humanos, dirigido por Maria do Rosário, que também abrigaria Igualdade Racial.

O PT resiste a essa fusão, alegando que esses ministérios representam "conquistas" dos movimentos sociais e custam pouco dinheiro do Orçamento. É provável que a presidenta só mantenha a Secretaria de Políticas para as Mulheres por seu caráter simbólico.

Leia também:
- Crise leva Dilma a discutir possível reforma ministerial

    Leia tudo sobre: Dilma RousseffPMDBPTMichel Temer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG