Em artigo de jornal, presidenta ressalta que Índia e Brasil compartilham semelhanças como multiculturalismo e diversidade étnica

Índia e Brasil querem uma nova ordem mundial e reformas no Conselho de Segurança das Nações Unidas que levem em consideração a nova realidade do mundo, afirma a presidente brasileira, Dilma Rousseff , em um artigo publicado no jornal The Times of India.

Saiba mais: Crise internacional é tema de discurso de Dilma na Índia

Presidenta brasileira Dilma Rousseff faz discurso na sessão da reunião dos Brics, em Nova Délhi
AP
Presidenta brasileira Dilma Rousseff faz discurso na sessão da reunião dos Brics, em Nova Délhi

Aniversário: Dilma encomenda bolo para filha na Índia

"Brasil e Índia convergem fortemente para a reforma das organizações internacionais, seja a ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a criação de um novo modelo de responsabilidade do FMI ou o estabelecimento de novos fóruns de alto nível, como o G20, IBAS, BASIC e Brics", afirma Dilma.

A presidenta participa em Nova Délhi na 4ª Reunião de Cúpula dos Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e na sexta-feira fará uma visita de Estado ao país anfitrião. A visita, segundo a presidenta brasileira, pretende "consolidar uma agenda bilateral substantiva e reforçar princípios similares de política externa, incluindo a defesa dos interesses de nossas populações pobres, promoção de crescimento econômico sustentável e uma posição internacional independente coerente com a nova ordem internacional".

Viagem: Dilma desembarca na Índia para reunião dos Brics
Escala: Dilma aproveita viagem e faz turismo na Espanha

Na primeira viagem à Índia como chefe de Estado, Dilma ressalta que as duas democracias compartilham muitas semelhanças, apesar da situação geográfica, como o multiculturalismo e a diversidade étnica e religiosa. "Brasil e Índia se destacam como modelos de crescimento, que conseguiram tirar da pobreza milhões de pessoas", afirma no texto.

O comércio entre os dois países, que assinaram mais de 30 acordos bilaterais, passou de US$ 500 milhões em 1999 a US$ 9,3 bilhões em 2011. A Índia é o 12º maior sócio comercial do Brasil.

Durante essa visita, os dois países assinarão o acordo Ciência Sem Fronteiras para permitir que professores e estudantes brasileiros possam estudar em universidades indianas e vice-versa. Os países também pretendem ampliar a área de cooperação, centrada principalmente na tecnologia, medicina e defesa, além de estimular o turismo.

A visita de Dilma Rousseff à Índia também pode ser importante para decisão de Brasília sobre a compra de 36 caças. Analistas e fontes do governo brasileiro afirmam que a decisão da Índia de negociar exclusivamente com a França para a compra de 126 Rafale - uma licitação avaliada em US$ 12 bilhões - pode ajudar a convencer o Brasil a optar pelo mesmo avião.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.