Dilma cria conselho de gestão para cobrar ministérios

Formato obrigará cada ministro a fixar metas de redução de custos e de realizações; composição do conselho ainda é desconhecida

AE |

selo

Agência Estado
Dilma Rousseff e sua equipe ministerial em primeira reunião após a sua posse
Na primeira reunião ministerial de seu governo, marcada para amanhã, a presidenta Dilma Rousseff comunicará sua decisão de impor um forte ajuste nos gastos públicos, especialmente com custeio, que será monitorado de forma rigorosa pelo governo. Ela reforçará a advertência de que as indicações políticas serão respeitadas, mas que os titulares das pastas terão de se comprometer com resultados que serão cobrados, conforme antecipou reportagem do jornal O Estado de S.Paulo publicada no domingo. Para as agências reguladoras, nenhuma concessão: as indicações têm de ser necessariamente técnicas e passar pelo seu crivo pessoal.

Na cabeça da presidenta está um conceito de governança empresarial, nos moldes do setor privado, que produza um mapa da eficiência de cada área do governo - do primeiro aos demais escalões. O instrumento desse controle será um novo conselho - de Gestão e Competitividade -, ligado diretamente à Presidência da República.

Esse formato obrigará cada ministro a fixar metas de redução de custos e de realizações, apresentando-as nas reuniões ministeriais periódicas, confrontando-as com os resultados dos demais colegas e justificando no plenário os critérios empregados. Informará o que cortou, onde cortou e quanto cortou. E o quanto realizou no contexto dos cortes.

Não se conhece ainda, no governo, a composição desse novo conselho, mas há uma certeza: dele fará parte o empresário Jorge Gerdau, do grupo que leva seu nome, interlocutor com prestígio junto à presidente e inspirador de sua criação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: conselho ministerialdilma rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG