Dilma começa a definir substituto de Negromonte

Entre os cotados para a vaga, estão Agnaldo Ribeiro, Marcio Reinaldo, Beto Mansur, Benedito de Lira e Ciro Nogueira

iG São Paulo |

Depois de acertar a substituição do ministro das Cidades, Mário Negromonte, a presidenta Dilma Rousseff começou a definir  o nome que vai preencher a vaga na Esplanada. Negromonte deve formalizar sua saída do governo ainda nesta semana, logo após a volta da presidenta ao Brasil. Dilma embarcou ontem para Cuba, de onde segue em viagem oficial para o Haiti.

Lista: Cinco nomes do PP para substituir Mário Negromonte
Cronograma: Dilma deve afastar Negromonte na volta da viagem ao Caribe
Despedida: Próximo a sair, Negromonte ganha menção em discurso de Dilma na Bahia

Futura Press
Dilma e Negromonte, durante cerimônia na Bahia

Apesar a saída do ministro ter tomado forma mais concreta no último fim de semana, o PP já trabalha há alguns dias com uma lista de possíveis substitutos para o titular das Cidades , que engrossou a relação de integrantes do primeiro escalão suspeitos de irregularidades. Entre os nomes analisados estão o do líder do PP na Câmara, Agnaldo Ribeiro (PB), e dos deputados Márcio Reinaldo (MG), Beto Mansur (SP) e dos senadores Benedito de Lira (AL) e Ciro Nogueira (PI). Dilma, no entanto, prefere Márcio Fortes, que já foi ministro das Cidades e hoje ocupa o cargo de Autoridade Pública Olímpica (APO).

Durante a viagem a Cuba, Dilma optou pela discrição ao ser questionada sobre a saída de Negromonte. A presidenta avisou que só tratará deste e de outros assuntos relacionados à política brasileira quando voltar ao País. "As questões relativas ao Brasil, eu já disse para vocês anteriormente, nós discutimos no Brasil a partir de quinta-feira", afirmou.

Antes de embarcar, Dilma definiu a saída do auxiliar em conjunto com a direção do PP e o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), padrinho político do ministro. A expectativa era a de que Dilma formalizasse a decisão já na quinta-feira, seu primeiro dia após o retorno ao Brasil. Mas como a presidenta terá de enviar uma mensagem com os planos de trabalho do governo ao Congresso, é possível que o acerto ocorra na sexta-feira.

Dilma deve ainda se reunir com o ministro, uma forma de demonstrar um último sinal de prestígio, repetindo um gesto que usa desde a saída de Antonio Palocci (Casa Civil), em junho.

Embora a saída de Negromonte já fosse orquestrada desde o fim de semana, o acordo final do Planalto com o PP e Wagner foi selado ontem pela manhã, durante assinatura da ordem de serviço para o início das obras de revitalização urbanística da bacia do rio Camaçari, região metropolitana de Salvador. Depois, Jaques Wagner entrou no avião presidencial e seguiu com Dilma para a viagem a Cuba e Haiti. Ele foi o único governador a acompanhar a presidenta. Negromonte também marcou presença no evento e ganhou direito a uma breve menção no discurso da presidenta.

*Com informações da Agência Estado e da Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG