Dilma chega a Nova York para assembleia da ONU e outros encontros

Reconhecimento do Estado palestino e ampliação do Conselho de Segurança estão entre os temas do discurso da presidenta

iG São Paulo |

O reconhecimento do Estado palestino entra em debate na 66ª Assembleia-Geral da ONU por meio da presidenta Dilma Rousseff . No discurso, que abre o encontro, na quarta-feira (21), Dilma dirá que passou da hora de o mundo reconhecer a existência da Palestina. A presidenta também deve defender medidas comuns de combate à desigualdade social e a ampliação do Conselho de Segurança da ONU.

Dilma desembarcou no Aeroporto John F. Kennedy na manhã deste domingo sem o discurso finalizado. Além dos tópicos que ela mesmo escolheu e das linhas gerais traçadas pelo Itamaraty, pouco foi desenvolvido. A versão será feita mesmo em Nova York, nos dias que antecedem à abertura da Assembleia-Geral.

Agência Brasil
Dilma viaja com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Em Nova York, é recepcionada no Hotel Waldorf Astória
Nas conversas que terá com os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama; da França, Nicolas Sarkozy; do México, Felipe Calderón; e da Nigéria, Goodluck Jonathan; assim como com o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, Dilma deve defender medidas comuns de combate pobreza, com políticas de inclusão, apontando os programas de transferência de renda do Brasil como alternativa.

A presidenta também mencionará a Conferência Rio+20, que será realizada de 28 de maio a 6 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. Dilma destacará o fato que será a maior conferência mundial sobre preservação ambiental, desenvolvimento sustentável e economia verde, definindo um novo padrão para o setor. A previsão é reunir mais de 100 líderes mundiais.

Até as vésperas de viajar, a presidente estudava a possibilidade de detalhar a decisão no Brasil de criar a Comissão da Verdade – que se destina a investigar os crimes ocorridos no país no período da ditadura (1964-1985). Não está definido se Dilma mencionará a questão sobre o acesso a documentos sigilosos, prevista no Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH), e que divide opiniões no Executivo e Legislativo.

Palestina e Conselho de Segurança
A situação palestina não será um tema central de seu discurso na ONU, mas se encaixa em um dos tópicos preferenciais do Brasil: a mudança da geopolítica mundial, a necessidade de reforma da governança global e a abertura de espaço para novos atores internacionais. Dilma quer aproveitar as conversas, em Nova York, para defender a reforma do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Para o governo brasileiro, o órgão não reflete o mundo atual, pois mantém a estrutura dos anos após a 2ª Guerra Mundial – com 15 membros, cinco permanentes e dez rotativos.

Os membros permanentes do conselho são a China, França, Rússia, o Reino Unido e os Estados Unidos. Os assentos rotativos estão ocupados pela Bósnia-Herzegovina, Alemanha, por Portugal, pelo Brasil, pela Índia, África do Sul, Colômbia, pelo Líbano, pelo Gabão e pela Nigéria. O mandato de alguns desses países, como o Brasil, acaba em dezembro.

Dilma e o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, participarão ainda das reuniões bilaterais com chanceleres do Brics – bloco formado pelo Brasil, pela Rússia, Índia, China e África do Sul – e do G4, integrado pelo Brasil, pela Alemanha, Índia e Japão, países que defendem a ampliação dos assentos no Conselho de Segurança e querem ter um lugar permanente no órgão.

A presidenta está em Nova York acompanhada por cinco ministros, o das Relações Exteriores; o da Saúde, Alexandre Padilha; o do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel; o do Esporte, Orlando Silva, e a da Comunicação Social da Presidência da República, Helena Chagas.

*Com informações da Agência Brasil e AE

    Leia tudo sobre: Dilma RoussefpresidentaONUEstado palestino

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG