Dilma aborda inflação em discurso para prefeitos

Presidenta diz que governo está "atento" a pressões e afirma que Fazenda e BC atuam para garantir centro da meta da inflação

Andréia Sadi, iG Brasília |

A presidenta Dilma Rousseff aproveitou o discurso feito nesta terça-feira, durante a Marcha dos Prefeitos, em Brasília, para reafirmar a preocupação do governo federal com a questão da inflação.

AE
A presidenta, em encontro com prefeitos em Brasília
"Meu governo está atento a todas as pressões inflacionárias que sabemos existir neste momento", afirmou a presidenta para uma plateia de mais de quatro mil prefeitos.

Dilma disse que o Banco Central e o Ministério da Fazenda estão atuando para garantir o retorno da inflação para o centro da meta definida no menor prazo possível.

A respeito das críticas por conta das metas em relação ao controle da inflação, Dilma afirmou que o Brasil amadureceu. "É possível controlar a inflação e continuar crescendo. Neste aspecto, temos o reconhecimento internacional", defendeu.

Durante o evento, Dilma ainda enalteceu a presença das mulheres prefeitas que estavam presentes e disse esperar que, um dia, mais mulheres cheguem à Presidência da República.

Uma das principais reivindicações dos prefeitos, a aprovação da Emenda 29, que prevê um percentual mínimo de repasse da União para as prefeituras, a fim de investirem em saúde, ganhou apoio de Dilma, mas a presidenta pediu cautela dos prefeitos para tratar de uma questão considerada polêmica. "Todos nós precisamos reconhecer que se trata de uma questão complexa. Essa discussão ainda não se completou na esfera da União, dos estados e municípios", disse.

No discurso, Dilma garantiu que o governo vai repassar este ano R$ 10 bilhões para os municípios investirem em saúde. "Mesmo sem a aprovação da Emenda 29, já estamos colocando recursos na saúde", afirmou. "Vamos oferecer formação superior para os gestores públicos municipais. As inscrições vão começar no segundo semestre de 2011", completou.

A reformas das unidades de saúde é uma das medidas anunciadas pela presidenta. No pacote de medidas, no entanto, não está garantia de liberação dos cerca de 15 bilhões de restos a pagar, principal reivindicação dos prefeitos. Dilma disse que o governo vai liberar R$ 750 milhões, sendo que R$ 520 milhões serão repassados hoje (10) pelo Tesouro Nacional e o restante no próximo dia 6 de julho.

Com informações da Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG