Demissão de ministro não é crise, diz Vaccarezza

Líder do governo diz que saídas não são derrotas para Dilma. Declaração vem em momento no qual titular do Esporte está na berlinda

AE |

selo

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou hoje não ter havido nenhuma crise no governo Dilma Rousseff apesar de quatro ministros demitidos em meio a suspeitas de corrupção. Para Vaccarezza, as demissões não são resultado de qualquer crise. "Não teve nenhuma crise. Não vamos confundir demissão de ministro com crise de governo. O governo não perdeu nenhuma votação importante e a Dilma e o governo estão bem avaliados nas pesquisas de opinião", disse o líder governista.

AE
O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP)
Leia também: "Quadro é muito ruim", diz líder do PCdoB sobre crise no Esporte

A declaração de Vaccarezza ocorre enquanto mais um ministro está na corda bamba devido a denúncias. O ministro Orlando Silva, do Esporte, está na berlinda desde sábado , quando reportagem da revista Veja afirmou que ele recebeu dinheiro de propina relacionada a suposto esquema de desvio de recursos do Programa Segundo Tempo, coordenado pelo Ministério do Esporte.

O líder governista na Câmara procurou minimizar o fato de a oposição ter conseguido convidar o policial militar João Dias Ferreira e o motorista Célio Soares Pereira para comparecer à Casa. Foram o policial e o motorista os autores da denúncia contra Orlando Silva.

A defesa de Orlando Silva: ‘Encontrei uma vez com este caluniador’, diz ministro do Esporte

Segundo Vaccarezza, permitir o convite foi "de propósito" porque o governo queria evitar dar um palanque para a oposição. "Vocês acham que a gente daria um cochilo se quisesse evitar isso? A oposição queria um palanque e se a gente fosse lá evitar eles teriam conseguido".

O discurso é diferente de outro feito pelo próprio Vaccarezza na terça-feira, 18, quando Orlando foi ouvido em duas comissões da Casa. Na ocasião, ele afirmou que o assunto estava encerrado e que não se poderia convocar o policial para dar um palanque a ele. Agora, ele afirma que, como João Dias Ferreira já falou à Polícia Federal e à imprensa, não há problema em que ele venha também à Câmara.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG