DEM rediscute imagem de ser ou não de 'direita'

Partido estuda 'reposicionamento de imagem' após a crise provocada pela criação do PSD

AE |

selo

Embalado pela crise no governo que derrubou o ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil) e pela desarticulação do PSDB, maior partido de oposição, o DEM resolveu fazer um "reposicionamento de imagem", o que abriu internamente a discussão sobre o uso de expressões como "direita". Após a refundação em 2007, quando abandonou a sigla PFL numa jogada de marketing considerada malsucedida pela direção partidária, o DEM vai lançar nova linha de comunicação no segundo semestre, depois de medir os ânimos do eleitorado em pesquisa qualitativa e quantitativa.

A sondagem será decisiva para se chegar à nova "roupagem" do partido - embora pouco provável, não está descartado o resgate do antigo PFL e o abandono da sigla DEM, manchada depois do escândalo envolvendo o ex-governador do DF José Roberto Arruda, no episódio conhecido por "mensalão do DEM". "A questão do conteúdo a gente já tem avançado. A consistência do que acreditamos já está acertada. Agora o que falta é a definição da embalagem", afirmou o líder do partido na Câmara, ACM Neto (BA).

Parte do ideário do DEM, que se diz defensor do liberalismo econômico e da livre iniciativa, foi moldada após pesquisa de 2007, do Instituto GPP, com 2 mil entrevistados. De acordo com o levantamento, a maioria dos brasileiros é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a legalização das drogas e do aborto. Entre as palavras mais positivas consideradas pelo eleitor, estão "religião", "trabalho" e "moral".

Mas, se há consenso sobre o programa do partido, há dúvidas a respeito do formato. Para uma vertente, o rótulo da direita ficou associado ao período da ditadura e a partidos que não gostam de pobres. Portanto, seria uma armadilha usá-lo. Para outra, existe no País um eleitor "órfão", que é contra o governo e que quer um posicionamento claro de oposição. "Temos de mostrar nossas bandeiras. Se não, fica difícil sair da mesmice", afirmou o presidente do DEM paulistano, Alexandre de Moraes.

"Há um congestionamento de partidos, como se todo mundo jogasse pendurado na esquerda. Virou moda dizer ‘sou de esquerda’. Mas não é isso que o brasileiro pensa", avaliou o ex-deputado José Carlos Aleluia. "O partido tem que ocupar esse espaço que abriga a direita." Aleluia, no entanto, disse que o DEM deve evitar a adjetivação. "Mas não coloco objeção a companheiros que queiram colocar." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: josé agripino maiagilberto kassabdempsd

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG