DEM decide na terça-feira se expulsa Demóstenes Torres

Ex-líder do partido no Senado é suspeito de envolvimento em negócios com Carlinhos Cachoeira, preso em operação da Polícia Federal

Agência Brasil |

O destino político do senador Demóstenes Torres (GO), suspeito de envolvimento com o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, começará a ser definido na próxima semana. Na terça-feira, a Executiva Nacional do Democratas (DEM), partido de Demóstenes, marcou uma reunião para decidir se será aberto um processo de investigação interna que pode levar à expulsão dele da legenda.

Leia também: Procurador-geral vai ao STF para investigar Demóstenes
iG explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

Agência Estado
Demóstenes Torres terá futuro político no DEM decidido na semana que vem

A assessoria de Demóstenes informou à Agência Brasil que ele já recebeu da Procuradoria-Geral da República (PGR) os autos contendo dados das investigações que o envolvem. Se o DEM decidir abrir um processo contra o senador, será designado um relator para o caso e definido prazo de menos de um mês para a defesa.

Saiba mais: Alvaro Dias cobra acesso a inquérito sobre Demóstenes

Há informações, veiculadas em vários veículos da imprensa, de que Demóstenes mantinha ligações com Carlinhos Cachoeira , preso por envolvimento com máquinas caça-níqueis em Goiás . A suspeita é que o senador transmitia informações para o empresário, mantinha negócios com ele e recebia presentes. O parlamentar confirmou que ganhou de casamento um fogão e uma geladeira importados, no valor de R$ 30 mil, de Cachoeira.

Essa semana, Demóstenes se licenciou da função de líder da bancada no Senado justificando que necessita de mais tempo para elaborar sua defesa. O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), passou a acumular o comando do partido e a liderança na Casa . No dia 27, Agripino disse que o partido pode se sacrificar, em referência a Demóstenes.

Poder Online: DEM quer fitas para decidir expulsão

Em 2009, o comando-geral do DEM viveu situação semelhante devido às denúncias envolvendo seu único governador na época, José Roberto Arruda, do Distrito Federal. Arruda foi acusado de coordenar um esquema de corrupção no Distrito Federal e em decorrência dessas denúncias ameaçado de ser expulso do Democratas. Para evitar a expulsão, Arruda deixou o partido.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG