Defesa de Marcos Valério entra com pedido de habeas corpus

Pivô do mensalão, empresário é suspeito de integrar quadrilha que grilava terras na Bahia para oferecer garantias em empréstimos

Denise Motta, iG Minas Gerais |

A defesa de Marcos Valério Fernandes de Souza entrou nesta segunda-feira (05) com um pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça da Bahia. Marcos Valério é um dos pivôs do escândalo do mensalão . Ele foi preso por suspeita de envolvimento em um esquema de criação de imóveis fictícias e grilagem de terras na Bahia, com o objetivo de servir como garantias em empréstimos bancários.

A defesa: "Prisão foi desnecessária", diz advogado de Marcos Valério

Na cadeia: Marcos Valério chega à Bahia e será preso no Complexo dos Barris

Entenda o caso: Marcos Valério é preso por suspeita de grilagem na Bahia

O mensalão: Conheça as acusações contra cada réu

Mais problemas de Marcos Valério : Empresário é condenado por enganar Banco Central

AE
O publicitário Marcos Valério, depois de ser preso na madrugada desta sexta-feira na Operação Terra do Nunca

Conhecido como operador do mensalão, Marcos Valério foi preso em uma operação chamada Terra do Nunca, da Polícia Civil da Bahia. Além dele, seus sócios na extinta empresa de publicidade DNA Propaganda, Ramon Hollerbarch, Francisco Castilho e Margaretti Freitas também foram presos. Todos eles tiveram pedidos de habeas corpus impetrados no TJ da Bahia nesta segunda-feira (05).

A justificativa para que Valério seja solto é de que o pedido de prisão preventiva e a decisão judicial favorável são ancorados em "meras suposições e frágeis conjecturas". Além disso, a defesa diz que, com a reforma do Código de Processo Penal, a prisão é a última alternativa. Por último, afirma que, caso ele tivesse cometido os crimes (formação de quadrilha e falsificação de documento público), não haveria o que fazer: os crimes já estariam prescritos - ou seja, o tempo que o Estado tem para processar e julgar uma pessoa já teria esgotado.

De acordo com o advogado Marcelo Leonardo, Valério recebeu visita de um representante do escritório dele também nesta segunda, mas não foram repassadas ao iG informações detalhadas sobre a rotina na Polinter em Salvador.

“Ah tá, já sei”

"Não posso confirmar nem deixar de confirmar. Parece que policiais falaram isso, mas isso é uma coisa irrelevante”, disse o advogado ao ser questionado sobre o fato de seu cliente ter reagido com naturalidade à sua prisão, em Belo Horizonte, na última sexta-feira (02). “Ah tá, já sei” , teria dito Valério ao delegado Denilson dos Reis Gomes, que cumpriu o mandado de prisão.

Ao todo foram presas 15 pessoas durante a operação “Terra do Nunca”, na Bahia, São Paulo e em Minas Gerais. Os presos foram encaminhados para a Polinter de Salvador no começo da tarde de sexta-feira, data da prisão.

    Leia tudo sobre: marcos valériogrilagem de terrasquadrilhaprisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG