Defesa de Genoino apela para ataques a Roberto Jefferson

Advogados dizem que mensalão é um "chilique" e criticam ex-deputado que deflagrou crise

Severino Motta, iG Brasília |

A defesa de José Genoino no processo do mensalão tem como alvo o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), responsável por trazer à tona o suposto esquema de compra de apoio parlamentar no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. No documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) os advogados do ex-presidente do PT e atual assessor especial do Ministério da Defesa não economizam palavras pejorativas contra o ex-parlamentar, chamando-o de um bufão que cantou um bolero de péssimo gosto.

OBrito News
Defesa de Genoino faz diversos ataques a Roberto Jefferson
“O bolero de péssimo gosto cantado por Roberto Jefferson não ecoa em qualquer elemento probatório vertido aos autos (...) Verdadeiro Bufão este Roberto Jefferson”, diz trecho da defesa.

Seguindo a linha dos demais acusados no mensalão, Genoíno diz não haver provas da existência de pagamento para a compra de apoio parlamentar. Diz ainda que, contra si, a única citação na denúncia vem de “chiliques” de Jefferson.

“A acusação desfechada contra o peticionário funda-se, única e exclusivamente, nos sucessivos chiliques do ex-deputado (...) Pode um homem público com uma história de vida e uma trajetória imaculada como José Genoino ser condenado com base nas saltimbancas palavras de um Roberto Jefferson?”, conta noutro trecho da peça de defesa.

Fora os ataques a Jefferson, os advogados de Genoino argumentam que os empréstimos contraídos pelo PT tiveram a assinatura do seu então presidente por uma necessidade formal. Mas que os geria, na prática, era Delúbio Soares, que agia com autonomia dentro da sigla.

Diz ainda que “’negociar apoio político, pagar dívidas pretéritas do Partido e também custear gastos de campanha e outras despesas do PT e dos seus aliados’, não constitui conduta criminosa. Aliás, ao contrário, constitui tarefa lícita, rotineira e necessária a qualquer partido político”.

A defesa também diz que o Ministério Público não conseguiu especificar qual seria exatamente a atividade criminosa de Genoino, que teria sido acusado de forma genérica pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e peculato (uso do cargo para benefício próprio).

Por fim, sustenta que, como Genoino não possui foro privilegiado, o processo contra ele deve ser remetido para a primeira instância da Justiça Federal. E arremata um último desabafo contra Jefferson:

- O Supremo Tribunal Federal é a Casa da Verdade que há de limpar o nome de José Genoino Neto, tisnado pela repugnante maledicência, pela deslavada mentira, proferida por um sujeito rancoroso e desesperado que despenca, já há mais de seis anos e ainda agora, no próprio e infinito abismo que urdiu.

    Leia tudo sobre: josegenoinostfmensalãodefesajeffersonroberto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG