Declarações de Lupi não foram de ameaça, diz PDT

Na tarde de terça-feira, ministro disse duvidar que Dilma lhe demitiria e afirmou que só sairia da pasta com "bala forte"

AE |

selo

O PDT divulgou hoje, em nota, que as declarações do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, feitas ontem durante conversa com jornalistas, não foram de ameaça à presidenta Dilma Rousseff ou a quem quer que seja, mas sim um desafio aos acusadores. "Importante esclarecer também que em nenhum momento as declarações do Ministro Carlos Lupi, durante coletiva ontem na sede nacional do PDT, foram de ameaça a quem quer que seja, muito menos à Presidenta Dilma Rousseff, mas sim um desafio aos acusadores que se escondem por trás do anonimato", diz a nota.

Entenda a crise no Trabalho: Ministério do Trabalho entra em escândalo no Esporte

As declaração do ministro: "Para me tirar tem de ser bala forte, pois sou pesadão", diz Lupi

AE
Ida de Lupi ao Congresso segue roteiro de outros ministros envolvidos em denúncias

A nota destaca que o "Partido Democrático Trabalhista (PDT) foi a primeira sigla partidária, ainda no primeiro semestre de 2010, a fechar apoio à então candidata Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República, sem que para isso tenha feito acordos sobre possíveis espaços no governo federal em sua eventual vitória, confirmada em novembro de 2010". Diz ainda que Lupi, que é presidente nacional licenciado do PDT, "sabe que cabe à presidente da República, única e exclusivamente, nomear e exonerar, a qualquer período, seus ministros colaboradores".

Ontem na conversa com jornalistas sobre denúncias de irregularidades na Pasta do Trabalho, Lupi disse, entre outras declarações, que para tirá-lo do cargo "só abatido a bala e tem que ser bala forte, porque eu sou pesadão". Quando questionado sobre a confiança da presidente Dilma Rousseff nele, o ministro declarou que "duvida" que a presidente o tire do cargo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG