Deborah Guerner pede que Supremo anule pena de demissão

Promotora do DF, ela é suspeita de envolvimento com o mensalão do Distrito Federal. Defesa alega que não há provas contra Deborah

Agência Brasil |

AE
A promotora Deborah Guerner
A promotora do Distrito Federal Deborah Guerner entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de anulação da pena de demissão imposta pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A decisão do conselho foi proferida em maio e determinou que Guerner deve ser demitida do cargo público.

Entenda o caso: Justiça decide processar Deborah Guerner e mais cinco

Fingimento: Médico orientou Deborah Guerner a simular loucura

Bagunça: Em julgamento, Deborah Guerner diz passar mal e provoca confusão

Saiba mais sobre o mensalão do DF

A promotora é acusada de participar de esquemas de corrupção investigados pela Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, em 2009. A operação levou ao afastamento do então governador do Distro Federal, José Roberto Arruda.

No pedido de liminar enviado ao STF, a defesa da procuradora questiona a validade das provas que embasaram a decisão do CNMP e diz que o conselho extrapolou em suas atribuições.

A promotora argumenta ainda que a pena de demissão foi definida com base em provas de ações penais, e, caso seja absolvida, o suposto cometimento de ilícito administrativo deixa de existir. “A repercussão de eventual absolvição da impetrante na esfera criminal será inevitável no processo disciplinar”, diz, na ação.

O relator do caso no STF será o ministro Gilmar Mendes.

AE
A promotora Deborah Guerner deixou o posto médico do tribunal em cadeira de rodas em julho deste ano

    Leia tudo sobre: Deborah Guernerescândalo do DF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG