Declaração do ex-governador ocorre em meio a articulação para adiar pleito interno e fortalecer pré-candidatura de Serra

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, em evento para comemorar o aniversário de 120 anos da Secretaria Estadual de Agricultura, que a data das prévias do partido para a escolha interna do candidato à Prefeitura de São Paulo é "irrelevante". "A data é acessória. Uma semana a mais ou a menos não faz diferença", afirmou.

Saiba mais: Serra anuncia candidatura em SP e negocia disputar prévias
Resposta:
Aníbal e Tripoli mantêm agenda de pré-candidatos em São Paulo

Ex-governador está à frente das negociações para candidatura de Serra
AE
Ex-governador está à frente das negociações para candidatura de Serra
O tucano, que não quis se comprometer publicamente com o adiamento das prévias, trabalha nos bastidores para mudar a votação, que seria 4 de março, para o dia 11. A alteração ocorreria para o ex-governador José Serra, que decidiu na sexta-feira que quer concorrer à prefeitura, ter tempo de se preparar para a disputa.

O diretório municipal deve se reunir entre segunda e a terça para decidir se faz a mudança, que não agrada aos dois pré-candidatos que ainda se mantêm na disputa, o deputado federal Ricardo Tripoli e o secretário de Energia, José Aníbal.

No domingo, os outros dois pré-candidatos, os secretários estaduais de Cultura, Andrea Matarazzo, e de Meio Ambiente, Bruno Covas, retiraram seus nomes para apoiar Serra com o argumento de que é preciso "derrotar o PT". O governador, que tem pregado uma política de boa vizinhança com o governo federal, da presidente Dilma Rousseff (PT), disse não partilhar dessa visão.

"Nosso embate é para conquistar o eleitor e trabalhar para a população. Mas claro que, se o adversário for o PT, vamos enfrentá-lo para vencer", disse. Alckmin afirmou que considera Serra mais preparado que os outros candidatos para vencer a eleição e que ele será um "grande prefeito" se for eleito, mas evitou afirmar que seu colega desistiu do sonho de disputar à Presidência em 2014 - o que faria com que renunciasse ao cargo de prefeito apenas um ano e três meses depois de tomar posse. "O Serra, obvio, se é candidato a prefeito é para fazer um bom governo", desconversou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.