Crises não ameaçam maioria governista, diz especialista

Para cientista político, prioridade de partidos fisiológicos que compõem a base de Dilma é manter-se no governo

AE |

selo

Os sucessivos escândalos no governo - resultando, por vezes, no afastamento de apadrinhados de partidos aliados ao Palácio do Planalto - não devem ameaçar a maioria governista no Congresso, na avaliação do cientista político Fábio Wanderley Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Reis considera que a prioridade dos partidos fisiológicos que compõem a base da presidente Dilma Rousseff é manter-se no governo, para usufruir o máximo possível de benesses como cargos e liberação de emendas parlamentares. "Esses partidos, em última análise, não vão colocar fogo no circo", argumenta.

O cenário mais provável para os próximos anos do governo Dilma, na análise do cientista político, é um arranjo "precário e instável" entre Executivo e Legislativo. "Essa é a aposta mais provável, tendo em vista o ânimo briguento da presidente."

"Em grande medida, a manutenção desses partidos na base cabe à própria presidente", opina Reis. "Dada sua natureza fisiológica, sobretudo o PMDB, eles não têm nada a ganhar afastando-se do governo. A não ser, é claro, que isso lhes seja imposto." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: base aliadagoverno Dilmacrise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG