Cerimônia ocorreu de baixo de chuva no Cemitério do Morumbi, na zona sul da capital paulista

O corpo do ex-ministro da Educação Paulo Renato Souza - que morreu no sábado aos 65 anos vítima de um infarto - foi enterrado na manhã desta segunda-feira, em São Paulo. A cerimônia teve início pouco após as 10 horas. De baixo de chuva, diversas autoridades participaram da cerimônia, que durou 30 minutos e transcorreu em absoluto silêncio, sem culto religioso, no Cemitério do Morumby, na zona sul da capital paulista.

Ministro durante o governo Fernando Henrique Cardoso, Paulo Renato morreu no fim da noite do último sábado, vítima de um infarto fulminante. Ele passava o feriado com a família em São Roque, no interior paulista. Entre suas realizações no primeiro escalão do governo federal, está a criação do Exame Nacional do Ensino Médio, que alterou o modelo de seleção para o preenchimento de vagas em universidades. A pedido da família, jornalistas não puderam falar com familiares.

Autoridades, amigos e familiares se despedem de Paulo Renato Souza em São Paulo
AE
Autoridades, amigos e familiares se despedem de Paulo Renato Souza em São Paulo

Cerca de 80 pessoas prestaram suas últimas homenagens ao ex-ministro, entre eles o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os ex-governadores José Serra e Alberto Goldman, o governador paulista, Geraldo Alckmin, e os senadores Eduardo Suplicy (PT-SP) e Cristovam Buarque (PDT-DF). Estavam presentes também os secretários Julio Semeghini (PSDB-SP) e Sidney Beraldo (PSDB-SP) e Andrea Matarazzo, e o presidente do PPS, Roberto Freire.

O legado de Paulo Renato também foi ressaltado pelo secretário estadual de Cultura, Andrea Matarazzo. "Eu acho que, quando o trabalho é bem feito e quando há competência, ele não é partidarizado", disse. "Paulo Renato teve um papel importante na transformação da educação no Brasil."

Após o enterro, o ex-presidente FHC destacou que Paulo Renato ajudou a mudar a realidade educacional no País. "A educação deve muito ao Paulo Renato Souza." Para Fernando Henrique, o ex-ministro foi "um grande homem", que deixou realizações na promoção de políticas na área social. "A Bolsa Escola foi o prelúdio da Bolsa Família", lembrou.

AE
Velório foi realizado ontem, na Assembleia Legislativa
O ex-governador José Serra ressaltou que Paulo Renato era um "amigo muito querido" e enumerou ações da atuação do ex-ministro na educação, como a universalização dos ensinos básico e fundamental e a criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). "Foi uma série de medidas corajosas e inovadoras", destacou. Serra disse que a educação no Brasil tem duas etapas: antes e depois de Paulo Renato.

O governador Geraldo Alckmin salientou que o Brasil perdeu uma das pessoas que mais fizeram pela educação. "Paulo Renato foi uma pessoa que dedicou sua vida à causa pública no País", afirmou.

O senador Eduardo Suplicy destacou o papel do ex-ministro na criação do programa Bolsa-Escola. "Ele foi responsável pela criação do Bolsa-Escola, que juntamente com outros programas, se transformou no que hoje é o Bolsa-Família. Ele teve grande participação nesse processo", afirmou o petista.

O corpo de Paulo Renato foi velado ontem, na Assembleia Legislativa de São Paulo. Compareceram à cerimônia políticos de diversos partidos, entre eles Alckmin, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, Fernando Henrique e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

(Com Agência Estado)

    Leia tudo sobre: enem
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.