Conselho suspeita de negócio feito por firma de Palocci

Responsável por monitorar atividades financeiras, Coaf incluiu empresa do ministro em relatório enviado à Polícia Federal

AE |

selo

Agência Brasil
Nome da empresa de Palocco surge em transações atípicas envolvendo uma empresa que está sob investigação pela Polícia Federal

A manifestação do Coaf ocorreu há cerca de seis meses, depois de o órgão ser informado do episódio pelo banco que intermediou a transação financeira.

Fontes do Ministério da Fazenda em São Paulo revelaram ao jornal O Estado de S. Paulo que o comunicado do Coaf à PF se enquadra no tipo de "movimentação atípica", "operação suspeita".

Funciona da seguinte maneira: os bancos informam ao Coaf sobre transações financeiras fora do padrão. Em cima dessas informações, o órgão da Fazenda repassa à PF e ao Ministério Público relatórios quando uma empresa ou uma pessoa sob investigação aparece nos comunicados dos bancos.

No caso de Palocci, . No ano passado, a empresa do ministro adquiriu dois imóveis em São Paulo: um apartamento luxuoso de R$ 6,6 milhões e um escritório avaliado em R$ 882 mil.

O Coaf não tem poder de investigação. Cabe à Polícia Federal apurar se há ou não irregularidades na transação financeira entre a empresa do ministro da Casa Civil e a que está sob investigação.

Procurado ontem pela reportagem, Palocci informou, por meio de sua assessoria, que desconhece o episódio. Disse que não foi informado do envio do relatório do Coaf à PF. O Palácio do Planalto acredita que o Coaf não vai se manifestar publicamente sobre o caso e espera que a PF diga que a empresa de Palocci não está sendo investigada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: Antonio Palocciprojetocrise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG