Conselho de Ética avisa Demóstenes de processo e dá dez dias para defesa

Senador deverá explicar relação com o bicheiro Carlos Cachoeira, preso em operação da PF

Agência Brasil |

O senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) foi notificado nesta quarta-feira (11) de que será investigado pelo Conselho de Ética do Senado sobre as denúncias veiculadas na imprensa de participação em um esquema de exploração de jogos ilegais comandado pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Leia mais: Caso Cachoeira terá CPI mista

iG Explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

AE
Demóstenes é alvo de processo por quebra de decoro no Conselho de Ética do Senado

Há dias recluso em sua residência, Demóstenes Torres foi ao seu gabinete exclusivamente para receber o documento, entregue pela secretária-geral da Mesa Diretora, Cláudia Lira.
Cumprido esse procedimento, o parlamentar terá dez dias úteis, contados a partir de amanhã (12), para apresentar sua defesa ao Conselho de Ética. O prazo foi estabelecido ontem (10), pelo presidente interino do conselho, Antonio Carlos Valadares (PSB-SE).

Mais cedo, o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse à Agência Brasil que ontem foi acertado entre todos os líderes da Casa a necessidade de uma comissão parlamentar mista de inquérito (CPI) para apurar todas as informações decorrentes da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que desmontou a quadrilha que trabalhava com a exploração de máquinas caça-níqueis em Goiás e no Distrito Federal. Ele também disse que caberá à comissão apurar, ainda, o envolvimento de Carlos Cachoeiras com "entes públicos e privados".

Leia também: Grampo da Operação Monte Carlo pega Protógenes

Segundo ele, o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA), está negociando com o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o objeto determinado das investigações. Ou seja, os pontos que caberá à CPI investigar.

O senador do PSOL disse também que o texto do requerimento de convocação da CPI deve ficar pronto ainda hoje. Nos próximos dois dias, caberá aos líderes buscar o apoio de suas bancadas. "Como a CPI é um consenso entre os líderes da Câmara e do Senado, não haverá problema em preencher o mínimo necessário de assinaturas nas duas Casas", acredita o parlamentar.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG