Comissão de Ética pede que Lupi esclareça denúncias

Ministro, citado em casos de irregularidades no Trabalho, tem dez dias para explicar problemas

AE |

selo

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu hoje pedir ao ministro do Trabalho, Carlos Lupi, esclarecimentos sobre as denúncias reveladas pela imprensa de que assessores da Pasta atuam em um suposto esquema de extorsão de dinheiro para liberação de recursos a organizações não governamentais. Lupi tem dez dias para prestar os esclarecimentos solicitados.

AE
Denúncias de irregularidades cercam agora o ministro do Trabalho, Carlos Lupi
Conflitos do partido:

- PDT reage à crise e pede apuração sobre acusações contra ministro

- Deputado do PDT chama líder de “moleque de recados”

Oposição reage: Sigla defende o afastamento do ministro do Trabalho

Entenda o caso: Ministério do Trabalho entra em escândalo do Esporte

Segundo o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence, trata-se de um procedimento preliminar, que servirá de base para análise da conjuntura. "Fala-se ali (nas reportagens) em recebimento de propina. É preciso primeiro colher as informações da autoridade, depois ver se nos caberá ou à outra autoridade do sistema de ética apurar as acusações feitas a outros servidores", disse.

Durante a reunião da comissão nesta segunda-feira, foi julgado o processo de desvio ético do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci pelo episódio de locação de um imóvel cujo dono, segundo denúncias da imprensa à época, seria uma empresa de fachada em nome de um laranja. Por esse episódio, Palocci foi condenado à censura ética. A censura ética, porém, não tem valor prático. Não impede, por exemplo, que ele assuma nenhum novo posto no governo, apenas faz constar em sua ficha de funcionário a 'punição' - aplicada a quem já deixou o governo. Se ainda estivesse no posto, sofreria 'advertência' e poderia receber uma recomendação de demissão.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG