Ex-secretário Nacional de Justiça, Tuma Júnior foi acusado de envolvimento com a máfia chinesa em SP

selo

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu arquivar o processo aberto contra o ex-secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior. Investigado por denúncias de que estaria envolvido com a máfia chinesa, em São Paulo, conforme gravações telefônicas feitas pela Polícia Federal durante apurações sobre contrabando que ligariam o ex-secretário ao mafioso chinês Li Kwok Kwen, conhecido como Paulo Li, Romeu Tuma Júnior foi afastado do cargo em junho, um mês depois das denúncias terem sido publicadas pelo Estado.

O arquivamento do caso ocorreu na reunião de 17 de setembro, mas a decisão não foi divulgada pela Comissão, que acatou parecer do relator do processo, Humberto Gomes de Barros, de que "nenhum dos deslizes éticos apontados foi comprovado".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.