Com candidatura sob risco, Iriny Lopes diz estar tranquila

Mudanças na Esplanada foram interpretadas como sinal de risco para plano da ministra de disputar Prefeitura de Vitória

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Sob risco de ver seus planos de disputar as eleições deste ano caírem por terra, a ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, trabalha para demonstrar tranquilidade diante das negociações de alianças na corrida pela Prefeitura de Vitória (ES). Segundo fontes do PT nacional, setores do partido defendem que Iriny seja rifada em nome do apoio ao PMDB do ex-governador Paulo Hartung.

Polêmica: 'No caso Gisele, eu fui censurada', diz ministra da Secretaria de Mulheres

AE
Ministra vê plano eleitoral ameaçado por aproximação com Paulo Hartung
O fato de a presidenta Dilma Rousseff ter anunciado a saída do ministro da Educação, Fernando Haddad, e mantido Iriny no cargo foi interpretado como um sinal. No final do ano passado Dilma disse a auxiliares que faria a reforma ministerial em pelo menos duas etapas. Na primeira trocaria os ministros que vão disputar as eleições municipais. Haddad e Iriny estavam nesta condição. Ontem Haddad saiu e Iriny ficou.

Ao iG , a ministra reafirmou que é candidata e disse estar tranquila. “Estou dentro do limite normal do prazo eleitoral. A Secretaria de Políticas para as Mulheres tem compromissos com a presidenta Dilma, e não só reafirmo como estou muito tranquila com a minha candidatura”, disse ela.

Depois de ser dada como certa em um encontro entre integrantes das direções nacional e estadual do PT em Brasília no ano passado, a candidatura da ministra passou a ser alvo de desconfiança.

No início de 2012 o atual prefeito, João Coser, admitiu em entrevistas a possibilidade de o PT apoiar um candidato de outro partido. Pouco depois foi a vez de Hartung admitir que pode ser candidato à Prefeitura de Vitória.

Ontem de manhã, antes da cerimônia de posse de Aloizio Mercadante no Ministério da Educação, ela se encontrou com o presidente nacional do PT, Rui Falcão. Ambos não tocaram no assunto eleição.

No entanto, fontes petistas e pessoas próximas à ministra identificaram uma manobra com o objetivo de aproximar Hartung do PT. De um lado estariam pessoas próximas a Coser, que é aliado do peemedebista. De outro, lideranças do PT paulista que tentam rifar a candidatura da ministra para agradar ao PMDB e viabilizar um acordo envolvendo o pré-candidato do partido Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG