Para governador do DF, demissão de delegado foi necessária "para garantir a normalidade administrativa da instituição"

O delegado Onofre de Moraes pediu exoneração do cargo de diretor-geral da Polícia Civil do Distrito Federal hoje (2). Moraes assumiu o cargo no dia 3 de novembro de 2011 e saiu após a divulgação de um vídeo no qual fazia críticas ao governador Agnelo Queiroz (PT-DF) . No vídeo, o diretor aparece afirmando que o governador deixaria o Palácio do Buriti "em um camburão da Polícia Federal".

O governador do DF, Agnelo Queiroz (PT)
AE
O governador do DF, Agnelo Queiroz (PT)
Leia também: Patrimônio de Agnelo Queiroz subiu 413%, diz revista

Segundo a assessoria do governo do Distrito Federal (GDF), Agnelo tomou conhecimento do vídeo na manhã de quinta-feira e, assim, a situação do delegado no governo ficou insustentável. Depois de ver as imagens, o governador reuniu-se, então, com Moraes e o secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar. Na reunião, o diretor-geral da Polícia Civil entregou o cargo e Avelar ficou encarregado de indicar um substituto para o posto.

O porta-voz do GDF, Ugo Braga, disse que Agnelo explicou que “a medida ( a saída de Moraes ) se faz necessária para garantir a normalidade administrativa da instituição”.

O vídeo de Moraes criticando o governador do DF foi postado na noite de ontem (1º), no blog do jornalista Edson Sombra, conhecido por sua ligação com o ex-delegado Durval Barbosa, que delatou, também apresentando imagens gravadas, o esquema de corrupção conhecido como mensalão do DEM. As novas imagens têm data de 16 de junho de 2011.

(Com informações da Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.