Chalita afirma ser contra aborto

Pré-candidato do PMDB em SP abordou o assunto voluntariamente em aula magna de universidade e diz reprovar eutanásia

AE |

selo

O tema nem entrou em debate, mas o deputado federal e pré-candidato do PMDB à Prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita, já afirmou ser contrário à legalização do aborto no País. Chalita abordou o assunto voluntariamente, na terça-feira, em discurso da aula magna da Faculdade de Direito do Instituto Presbiteriano Mackenzie, onde leciona, na capital paulista. Ele disse também reprovar a eutanásia.

Eleições 2012: Com críticas à gestão Kassab, Chalita anuncia aliança com PSC

AE
Gabriel Chalita diz ser contra a eutanásia (10/2/2012)

"Se eu tenho consciência de que há uma vida, essa vida tem de ser protegida em qualquer momento da trajetória do ser humano", disse, ao citar o direito constitucional à vida para uma plateia formada por cerca de mil jovens na faixa de 20 anos - alunos do curso de graduação em direito da universidade.

Mesmo com apoio do Partido Social Cristão (PSC) para disputar a eleição municipal e próximo à renovação carismática católica, Chalita tentou afastar a tônica religiosa de seu discurso.

"Como não é uma campanha para papa nem bispo, mas para prefeito, vou tentar usar mais argumentos jurídicos e filosóficos do que religiosos", disse. "Acho que o sistema jurídico brasileiro não encontra amparo nessas discussões." O peemedebista afirmou que o aborto não terá destaque na campanha para a Prefeitura, mas acredita que a pauta pode voltar a ser discutida. E prometeu reafirmar sua posição.

"Embora não seja temática de eleição municipal, o que me perguntarem eu tenho resposta, com verdade. Os candidatos não têm de esconder nada. Têm de ser verdadeiros com as crenças que eles têm", pregou Chalita.

Marta manda recado ao PT e rejeita ficar 'de mãos dadas' com Kassab

A legalização do aborto foi tema explorado no segundo turno da eleição presidencial de 2010 . À época, Chalita foi convocado pelo PT para blindar Dilma Rousseff da onda de reações da Igreja Católica contra a candidata. Católicos e evangélicos associaram à petista uma plataforma favorável à descriminalização do aborto. A campanha do tucano José Serra foi acusada de explorar o tema para colocar Dilma em choque com religiosos.

"Reduzir a eleição presidencial a uma discussão sobre aborto é muito pobre. A mesma coisa vale para a Prefeitura", opinou Chalita, que quer debater transporte, saúde e segurança. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: gabriel chalitapmdbeleições 2012abortoeutanásiasão pauloprefeitura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG