Decisão de postergar votação na comissão ocorreu após pedido de vista coletiva de iniciativa do líder do governo, Romero Jucá

selo

Um pedido de vista coletiva, de iniciativa do líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), impediu hoje a Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) de votar o substitutivo do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à proposta de emenda constitucional do senador José Sarney (PMDB-AP), que altera o procedimento de apreciação das medidas provisórias (MP).

Agência Senado
Líder do governo apresentou pedido de vista coltivo
O alvo da mudança é impedir a prática em curso, pela qual os deputados retêm a MP por um período próximo de 120, prazo máximo de apreciação, e com isso ocupam o tempo destinado ao exame da proposta no Senado. Por consequência, várias vezes os senadores são obrigados a votar as MPs sem modificá-las, para não ultrapassar os prazos de validade. É o caso, por exemplo, da MP do trem-bala, cuja validade termina no domingo e somente hoje é que deve ser examinada no plenário do Senado.

O substitutivo de Aécio Neves estipula que somente deverão ser aceitas MPs relevantes e urgentes. Ele propõe a criação de uma comissão mista permanente que se encarregará de atestar a "admissibilidade" da proposta. Se a comissão não atuar, caberá ao plenário se manifestar no prazo de três dias.

Aécio lembra que os governos, "não apenas o atual, mas também os outros", criaram uma "usina de MPs", utilizando do mecanismo para atender ministros e demais membros do governo, na maioria das vezes para questões que poderiam ser apresentadas por projetos de lei. "A medida provisória é importante, mas deve ser exceção e não a regra", afirma o senador. "A MP é um instrumento essencial à governabilidade, mas não pode continuar a ser utilizado de forma não criteriosa", acrescenta.

A Câmara dos Deputados terá o prazo de 60 dias, a contar de sua admissibilidade, para examinar a MP. Já o Senado, contará com 50 dias, a contar da aprovação pelos deputados, para votar a medida, restando 10 dias para, se for emendada, voltar à Câmara dos Deputados. Se a medida provisória não for admitida, será transformada em projeto de lei e tramitará em regime de urgência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.