Candidatos do MP de São Paulo querem extensão do Ficha Limpa

Apesar de propostas distintas, procuradores que almejam topo do Ministério Público concordam também sobre ação da polícia na USP

AE |

selo

O Ministério Público de São Paulo vai eleger o novo procurador-geral de Justiça - 300 procuradores e 1.555 promotores vão escolher o mandatário máximo da instituição. Três são os candidatos ao cargo: os procuradores Felipe Locke Cavalcanti, Márcio Elias Rosa e Mário Papaterra Limongi.

Decisão: Supremo valida Lei da Ficha Limpa para eleições deste ano

Os procuradores que almejam o topo do Ministério Público de São Paulo apresentam propostas diferentes em relação a programas internos da instituição, mas em comum têm algumas ideias e avaliações sobre o papel da promotoria e o momento político. Recomendam extensão da Ficha Limpa para todos os cargos públicos e a ação da polícia no câmpus da USP . Atribuem a falhas na legislação o fiasco do resultado no combate à corrupção. 

Eles estão em campanha há três meses, percorrendo as promotorias de todo o Estado, para expor suas metas e propostas. Pregam a valorização da instituição e dos promotores. A jornada, até aqui, transcorre sem hostilidades entre os pretendentes ao posto. O pleito será daqui a uma semana, dia 24, em processo eletrônico, nos moldes do modelo adotado pela Justiça Eleitoral. O vitorioso vai conduzir a maior instituição estadual do País, com 3.442 servidores e orçamento de R$ 1,53 bilhão, para 2012.

Polêmica: Alunos pedem fim de convênio da USP com polícia

O Ministério Público tem atribuição constitucional de defender a ordem jurídica e os interesses sociais e individuais indisponíveis. É o guardião da democracia e a ele cabe investigar e combater improbidade e corrupção na administração. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: mpministério públicoficha limpausppm na usp

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG