Câmara adia votação de redução da jornada de trabalho

Marco Maia e os sindicalistas acertaram a criação de uma comissão especial para discutir os projetos em tramitação na Câmara

AE |

selo

Bandeira das centrais sindicais e ponto de destaque na celebração de 1º de Maio, a votação do projeto que reduz a jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais não entrará na pauta do plenário da Câmara tão cedo. Em reunião com representantes das centrais sindicais, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), afirmou que esse assunto poderá ser discutido no segundo semestre. Representantes das centrais entregaram a Maia, nesta manhã, a pauta trabalhista para o Congresso, que inclui também o fim do fator previdenciário no cálculo do valor das aposentadorias e a regulamentação do trabalho terceirizado.

"Eu recebi a pauta e vamos dialogar também com o setor sindical e, quem sabe, no segundo semestre nós possamos avançar em ações destinadas a melhorar a qualidade do trabalho no Brasil", disse Maia, após o encontro. O presidente da Câmara não se comprometeu também com a votação da proposta de redução da jornada de trabalho, pronta para ser votada no plenário da Casa.

"Eu explicitei a dificuldade que tem de votação dessa matéria. Não é uma matéria simples. Isso precisa ser dialogado com o setor empresarial e é preciso que sejam feitos ajustes. Há um longo caminho a ser perseguido no sentido de estabelecer os consensos e acordos necessários para a votação desta matéria", disse Maia. "Qualquer um estaria mentindo se dissesse que é simples colocar em votação na Câmara um projeto que reduz a jornada de trabalho", completou.

O presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, disse que os trabalhadores vão intensificar a pressão no Congresso pela aprovação da redução da jornada de trabalho. "Sabemos que não é fácil. Reduzir a jornada de trabalho é uma luta de classes", disse o deputado e líder sindicalista.

"Nada é fácil no Congresso", concordou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique. "Não dá para discutir só a pauta do governo e dos empresários. Esse foi o principal recado para Marco Maia", afirmou o presidente da CUT após o encontro.

Marco Maia e os sindicalistas acertaram a criação de uma comissão especial para discutir os projetos em tramitação na Câmara que tratam da regulamentação do trabalho terceirizado no País. Marco Maia acenou também com a votação, em breve, do projeto que prevê igualdade no trabalho entre mulheres e homens, garantindo as mesmas oportunidades de acesso e de salário. Esse projeto já esteve para ser votado em março, durante a semana de comemoração ao Dia da Mulher.

    Leia tudo sobre: CâmaraMarco MaiaCentrais sindicais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG