Cabral: "Não haverá uma comunidade dominada pelo poder paralelo"

Ao tomar posse para o segundo mandato, governador do Rio de Janeiro reafirma promessa de acabar com o tráfico e a milícia até 2014

Flávia Salme e Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Ao encerrar seu discurso de posse para o segundo mandato, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), o governador Sérgio Cabral (PMDB) afirmou que o Estado não será mais refém de grupos criminosos organizados. "Não haverá, até 2014, uma comunidade, um bairro, dominado pelo poder paralelo no Rio de Janeiro. Sejam milicianos ou sejam traficantes", prometeu.

Agência Estado
O governador reeleito do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, durante a cerimônia de sua posse, realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj)
Em entrevista, Cabral disse que se não houver uma boa gestão de Segurança Pública, as demais políticas do Estado estarão sempre incompletas e prejudicadas. O planejamento do Estado é instalar 40 Unidades de Polícia Pacificadora no Estado até 2014. O programa, porém, esbarra na falta de policiais e no insuficiente recrutamento de militares para ocupar as comunidades sem desguarnecer o patrulhamento normal.

"É possível, sim, cumprir essa meta ambiciosa. Não vamos, infelizmente, extinguir os marginais ou a venda de produtos ilegais. Isso se enfrenta em Estocolmo, Nova York, Paris (...) O que não pode é a situação vexatória de controle armado, físico em comunidades do Rio. Com a política d emetas (de redução de crimes), planejamento e foco, vamos alcançar esse sonho, não tenho dúvida", afirmou, instantes antes de ir para Brasília, acompanhar a posse da presidenta eleita Dilma Rousseff .

Em seu discurso de posse, Sérgio Cabral lembrou o momento em que assumiu o primeiro mandato, quando o Rio de Janeiro vivia sob uma série de ataques. "Aqui nesta tribuna, há quatro anos, assumia o primeiro mandato com o Rio de Janeiro em pânico, com mais de 50 vítimas do terror. Como é bom entrar no Plenário Barbosa Lima Sobrinho e poder homenagear um grande brasileiro, como é bom dizer que a memória de Tim Lopes foi honrada", falou, em referência ao jornalista assassinado no Complexo do Alemão, conjunto de favelas recém-ocupado pelas forças de segurança.

O governador também prometeu  colocar o Rio entre os cinco melhores índices do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). No último levantamento, divulgado em junho de 2010,  o Estado ocupou a penúltima posição no ranking do MEC.

Sérgio Cabral também aproveitou o discursso de posse para tecer elogios ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva . "Foi o melhor presidente da nossa História", falou, agradecendo, em seguida, a parceria entre os dois.

    Leia tudo sobre: possecabralmilíciaviolênciatráficorio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG