Cabral eleva gasto com publicidade em 35%

Governo admite elevação, mas afirma que todas as despesas na área se referem a campanhas educativas

AE |

selo

Em seu primeiro mandato, de 2007 a 2010, o governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) gastou em publicidade 35% a mais que sua antecessora, Rosinha Garotinho (expulsa do mesmo partido), em valores reais, descontada a inflação pelo IGP-DI. Levantamento a partir de números do governo no Sistema Integrado de Administração Financeira de Estados e Municípios (Siafem) mostra que, sem a correção inflacionária, os dispêndios nominais com propaganda da Subsecretaria de Comunicação e Divulgação subiram 62,98% de uma gestão para a outra.

AE
Cabral elevou despesas em comparação à antecessora Rosinha Garotinho
O governo admite aumento de 43%, mas se baseia em gastos empenhados, não nos efetivados, usados pelo Estado nos cálculos. Na campanha de 2006, Cabral prometeu moderação nos gastos com propaganda e anunciou que não usaria verbas para exaltar seu governo. "O dinheiro público gasto em comunicação deve ser voltado para campanhas educativas. No nosso governo, todos os recursos de publicidade serão usados em campanhas em relação às drogas, ao trânsito", afirmou, o então candidato, em setembro de 2006.

No seu primeiro mandato, porém, a despesa média anual ficou em pouco mais de R$ 99 milhões (nominais), com ênfase em programas governamentais, como as Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

Em nota, a Secretaria da Casa Civil do Estado afirma que o governo Sérgio Cabral gastou com o programa Serviços de Comunicação e Divulgação, de 2007 a 2010, sem correção da inflação, R$ 420,1 milhões, contra R$ 293,6 milhões de Rosinha Garotinho. O aumento, diz a nota, é de 43%, não 62,98% conforme apurou a reportagem.

As contas, porém, são diferentes. A reportagem se baseou nas despesas efetivamente pagas, enquanto os números do governo referem-se a valores empenhados (reservados para gasto, mas não necessariamente quitados). Há pequena divergência nas cifras empenhadas relativas a Rosinha, mas, feitas as contas pelos dados do jornal, o aumento, de um governo para o outro, fica em 44% - 1 ponto acima dos valores da nota. De janeiro de 2007 a dezembro de 2010, o IGP-DI acumulou 29,15%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: Sérgio CabralRio de Janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG