Cabral diz que errou ao anunciar nome de Cortês

Governador reeleito do Rio de Janeiro pede desculpas à presidenta eleita Dilma Rousseff

Agência Estado |

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), pediu desculpas hoje à presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), por ter anunciado a indicação de seu secretário de Saúde, Sérgio Cortês, para o Ministério da Saúde. "Eu cometi esse erro e peço desculpas.

Foi uma deselegância de minha parte porque quem escolhe ministro é o presidente ou alguém delegado por ele", disse Cabral, em entrevista a jornalistas brasileiros, em Buenos Aires. O governador relatou que foi convidado por Dilma para uma reunião na última segunda-feira, na Granja do Torto. "Nesta conversa, ela demonstrou o seu desejo de ter o secretário Cortês, que é um técnico qualificado da Saúde, como ministro. E eu me empolguei e me precipitei. Mas, na verdade, ela não formalizou o convite", emendou.

Indagado sobre se "a precipitação" pode terminar derrubando a indicação de Cortês, Cabral disse que a decisão cabe à presidente eleita. "Não vou mais falar sobre esse assunto porque, na verdade, era uma escolha técnica. Ela mesma frisou que na Saúde tem que entrar um conceito técnico de gestão", disse ele, argumentando que a indicação não faz parte da cota de cargos do PMDB no governo.

"Eu jamais pedi à Dilma que seja o Cortês. Foi uma iniciativa dela, mas que eu me precipitei (em anunciar). Na campanha política, em todo debate sobre saúde pública ela mencionava nossa política da UPA 24 horas (Unidade de Pronto Atendimento)", justificou. Cabral disse ainda que, durante a campanha, a presidente eleita disse para ele que ia "acabar levando o Cortês". Na verdade, continuou, "o Cortês foi mencionado como um técnico. Ele nem é filiado ao PMDB".

Além de dizer que a escolha é de Dilma, Cabral também afirmou que quem negocia os cargos de seu partido no governo é o vice-presidente eleito, Michel Temer, dirigente nacional da sigla. "Eu já tenho que cuidar dos assuntos do Estado, mas tenho certeza que tudo vai acabar muito bem porque o vice-presidente Michel Temer, junto com a presidente Dilma, vão ter uma integração muito grande", ressaltou. O governador contou ainda que falou com Dilma ontem, mas que ela não lhe deu nenhum puxão de orelhas. "Somos amigos e temos uma relação de enorme respeito".

    Leia tudo sobre: dilmatransiçãogoverno

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG