Briga por poder racha PT no Congresso

No Senado, Marta e Pimentel querem vaga de primeiro vice-presidente e, na Câmara, Tatto e Guimarães pleiteiam liderança da bancada

Fred Raposo, iG Brasília |

AE
Disputa entre os senadores Marta Suplicy (foto) e José Pimentel por primeira vice-presidência deve ser resolvida em reunião da bancada petista no próximo dia 31
De olho na vitrine que cargos importantes no Legislativo trazem em ano eleitoral, caciques do Partido dos Trabalhadores iniciaram 2012 com uma disputa por postos-chave que rachou as bancadas no Senado e na Câmara dos Deputados.

No Senado, a disputa pela primeira vice-presidência da Casa opõe o líder do governo no Congresso, José Pimentel (CE), e a senadora Marta Suplicy (SP), atual dona do posto. Pimentel cobra acordo, firmado no início do ano passado, após conflito interno, que estabelecia um rodízio no qual cada um ocuparia a vaga por um ano.

Marta foi escolhida para iniciar no cargo por dois motivos: a importância simbólica de se ter uma vice-presidente mulher no primeiro ano de governo da presidenta Dilma Rousseff; e, como na época havia a possibilidade de que Marta disputasse este ano a prefeitura de São Paulo, seria melhor que ela não acumulasse a agenda de candidata com o posto na Mesa.

Porém, na última reunião da bancada, ocorrida em 20 de dezembro, Marta sinalizou aos petistas que não deixaria a primeira vice-presidência. Em conversas privadas, a senadora alega que seria obrigada a renunciar à vaga, o que, segundo ela, iria contra o regimento da Casa, além de gerar desgaste político.

“Isso pode esquentar o clima”, afirma o senador Walter Pinheiro (BA). “Fui o único a ser contra o acordo. Para passar o lugar ao Pimentel, a Marta teria que renunciar ao cargo. O regimento diz que seria preciso fazer nova eleição, com votação em plenário. É um negócio complicado”.

O líder do PT, Humberto Costa (PE), explica, contudo, que a questão da renúncia havia sido acertada com Marta no ano passado. “Acredito que não exista esse problema, não nada que respalde essa posição”, assinala Costa. “Pelo que senti em conversas, a maioria defende que o acordo seja cumprido. E não há problema de negociação com outros partidos. A vaga é do PT”.

A bancada petista se reunirá no dia 31 para resolver a questão. O acordo também inclui rodízio nas comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Direitos Humanos (CDH). Segundo Costa, Delcídio Amaral (MS) cederá o comando da CAE para Eduardo Suplicy (SP) e Paulo Paim (RS) passará a presidência da CDH para Ana Rita Esgario (ES).

Na data também deve ser votado o substituto de Costa na liderança. Os candidatos ao posto até o momento são Wellington Dias (PI) e o próprio Walter Pinheiro, que nega haver confronto pela liderança. “Não está neste contexto”, reforça. “Vários parlamentares pediram para que liderasse a bancada em 2012. O Wellington tem a pretensão ser líder. Não há nenhum tipo disputa”.

Tatto x Guimarães

Na Câmara, dois parlamentares pleiteiam a liderança da bancada petista, hoje ocupado pelo deputado Paulo Teixeira (SP): o cearense José Guimarães e o paulista Jilmar Tatto. Guimarães é ligado à corrente majoritária Construindo Um Novo Brasil (CNB) e conta com apoio do líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Já a postulação de Tatto é sustentada pelo grupo de parlamentares que, na última eleição para a Presidência da Câmara, derrubou a candidatura de Vaccarezza e elegeu o deputado Marco Maia (PT-RS), então no início de seu segundo mandato como titular na Casa – sua primeira posse ocorreu quando era suplente, em 2005.

Nos bastidores, os dois grupos negociam o acerto de um rodízio, segundo o qual um parlamentar ficaria com a liderança em 2012 – ano eleitoral - e o outro, em 2013. A ordem de qual deputado assumirá primeiro o posto deve ser definida até o dia 1º de fevereiro, quando foi marcada a primeira reunião no ano da bancada petista da Câmara.

Berzoini assumirá CCJ

“A princípio tem essa divisão”, diz Vaccarezza. “Estamos tentando chegar a um acordo. Todo acordo, mesmo que seja ruim, é melhor do que uma boa briga”. O atual líder petista, deputado Paulo Teixeira, explica que também ocorrerão mudanças nas presidências de comissões.

Segundo ele, o deputado Ricardo Berzoini (PT-SP) substituirá João Paulo Cunha (PT-SP) no comando da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa e Cláudio Puty (PT-PA) entregará a presidência da Comissão de Finança e Tributação (CFT) para o PMDB.

Legenda com maior número de parlamentares na Câmara, o PT deve manter a relatoria da Comissão Mista de Orçamento (CMO) para 2012 e assumir a comissão de Saúde, além de negociar o controle das comissões de Educação e Direitos Humanos.

    Leia tudo sobre: ptsenadocâmaracongressobancada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG