Battisti ganha documento para iniciar 'vida normal'

Ex-ativista italiano, que quer viver de literatura, em breve terá o Registro Nacional de Estrangeiro

AE |

selo

Cesare Battisti, ex-ativista italiano, já pode andar sem receio pelas ruas do Brasil. Desde a semana passada ele está de posse da cédula provisória de estrangeiro, emitida pelo Ministério da Justiça, documento que lhe dá a garantia de que não será barrado, nem preso, como cidadão clandestino.

AFP
Cesare Battisti deixa o Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, em junho de 2011
"Cesare Battisti pode agora levar uma vida absolutamente normal, sem nenhum risco", declarou o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, artífice do processo que culminou com a decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em não permitir sua extradição para a Itália, onde a Justiça o condenou por quatro assassinatos nos anos 70, quando integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo.

Na segunda-feira, 15 de agosto, Battisti foi à Polícia Federal, superintendência de São Paulo. Eram 17 horas. Pegou senha e fila. A delegada Bruna Menck, do setor de estrangeiros, o recebeu. Suas impressões digitais foram colhidas. Fotos do ex-ativista. Procedimento de rotina.

"Já posso abrir conta no banco e tirar o CPF", disse Battisti a seu advogado, quando deixaram a PF. O aval que leva consigo será substituído em alguns meses por outro, definitivo - o Registro Nacional de Estrangeiro.

No outro dia, terça, Battisti reuniu-se com o editor da Martins Fontes no escritório de Greenhalgh, no centro de São Paulo. Escrever é a meta do italiano, que já tem livros publicados na Itália e no Brasil. Seu projeto particular é viver da literatura. Ao Pé do Muro é seu mais recente trabalho - narra sua vida na prisão.

O ex-militante evita manifestações sobre o passado e não fala dos processos penais que lhe atribuem ações armadas e rajadas de tiros, como militante da esquerda nos anos 70.

Em 2009, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a extradição do ex-ativista. Mas, no último dia de seu governo, o então presidente Lula acolheu parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) e permitiu a Battisti ficar no Brasil - gesto que provocou forte reação política na Itália. As informações são do O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: Cesare BattistiBattistiItáliaLulaGreenhalgh

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG