Batalha nos bastidores se mantém após convenção do PSDB

Com apoio da maioria, Aécio deve garantir candidatura em 2014. Enquanto isso, Serra terá conselho para tentar se viabilizar

Adriano Ceolin, iG Brasília, Nara Alves, enviada a Brasília |

Nos bastidores, o embate entre serristas e aecistas vai continuar no PSDB apesar do acordo firmado na convenção realizada no sábado em Brasília. O presidente tucano reeleito, Sérgio Guerra (PE), irá conduzir o partido para garantir a candidatura do senador Aécio Neves (MG) ao Palácio do Planalto em 2014. No novo conselho político da sigla, o ex-governador José Serra (SP) terá a difícil tarefa de tentar influir em decisões como alianças, fusões e candidaturas. Uma nova candidatura é hoje um sonho distante .

Minutos depois do término da convenção, os dois grupos já voltavam a trocar farpas e minimizar ou aumentar o resultado obtido. “Não cedemos nada para o Serra. Foi um balde de água fria”, disse um integrante da ala mineira e agora majoritária. “A decisão sobre quem será candidato passará pelo conselho”, insistiu um paulista. Diante das câmeras de TV e flashes de fotógrafos, no entanto, o objetivo principal foi demonstrar unidade.

Mesmo ciente da sua força para derrotar Serra em qualquer tipo de votação dentro do partido, Aécio não queria realizar uma convenção sem a presença do paulista. Perderia a imagem de político conciliador. O ex-governador de São Paulo jogou pesado e ameaçou sair do partido mais uma vez - o que ele já havia feito em fevereiro. “Não foi uma, nem duas, mas umas 15 vezes que ele ameaçou sair”, contou um dirigente do PSDB ligado ao grupo de Aécio.

AE
O presidente do PSDB Sérgio Guerra, Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves e José Serra na a 10ª Convenção Nacional do partido, em Brasília (28/05)
Ameaça de racha

Duvidando da palavra do ex-governador paulista, alguns aecistas toparam pagar para ver. Na quarta-feira, um grupo de 35 deputados fechou questão: não vamos ceder nada ao Serra. No mesmo dia, o deputado Marcus Pestana (MG) foi visto discutindo com o deputado Jutahy Júnior (BA) no plenário da Câmara. “Eles ameaçaram o racha”, confirmou Pestana.

Amigo de Serra há anos, Jutahy foi um dos tucanos que trabalharam para ele ocupar um cargo em que pudesse seguir na vida partidária e política. “Serra queria o conselho político. Mas, na primeira proposta (feita em abril passado), o conselho teria 20 membros. O órgão seria uma ficção”, explicou Jutahy.

O Conselho Nacional Político do PSDB já era previsto no estatuto do partido, mas as reuniões só podiam ser convocadas pelo presidente da sigla. No caso, Sérgio Guerra. Para atender ao desejo de Serra, era preciso mudar as atribuições do conselho.

Jutahy contou que a remodelagem do órgão voltou a ser estudada na quinta-feira, em Salvador, na Bahia. O governador de Goiás, Marconi Perillo, foi à cidade receber título de cidadão baiano e refez a proposta do conselho. “O Marconi fez proposta. Queríamos um órgão decisório. Levei para o Geraldo Alckmin (governador de São Paulo) com o consentimento do Serra”, disse Jutahy.

Negociação sobre ITV

O passo seguinte era convencer o grupo aecista a mudar o estatuto da sigla durante a convenção. Sem a garantia por escrito de como funcionaria o conselho na prática, serristas insistiam em manter o pleito pelo Instituto Teotônio Vilella (ITV). O ex-governador paulista não queria uma função figurativa com um conselho sem funções definidas. O ITV, porém, já havia sido oferecido ao ex-senador Tasso Jereissati (CE). Derrotado em outubro, ele hesitou em assumir o órgão, mas acabou convencido por Aécio e Guerra.

Apesar de ser vinculado à presidência do PSDB, o ITV tem estrutura e orçamento próprios de R$ 11 milhões por ano. Desconfiados, os mineiros achavam que Serra poderia criar um partido dentro do partido. Além disso, seria um duro golpe contra Tasso. Em março deste ano o próprio Serra havia rejeitado a proposta de presidir o ITV.

Na sexta-feira, as negociações voltaram a andar. De São Paulo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Alckmin e o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP) negociaram em nome de Serra. A ala ligada a Aécio defendeu que FHC ficasse no comando do Conselho. Ele, contudo, convenceu os mineiros que a vaga devia ficar com Serra para que o acordo fosse firmado. Em entrevista ao Poder Online, o ex-presidente explicou como costurou o acordo.

Juntos, os três foram de avião para Brasília no sábado e dirigiram-se à casa do deputado Duarte Nogueira (SP), líder do PSDB na Câmara e fiel escudeiro de Alckmin. Lá, por volta das 11h, o martelo foi batido com Guerra, Aécio e o governador de Minas, Antonio Anastasia.

Conselho tucano

O texto final do estatuto do partido, documento que pode ser levado a instâncias judiciais, ficou da seguinte forma: “O Conselho Nacional Político irá colaborar com o Diretório Nacional e sua Comissão Executiva no exame e decisão de questões políticas relevantes de âmbito que lhes sejam submetidas especialmente às relativas a alianças políticas, processo de escolha de candidatos às eleições nacionais, fusão ou incorporação de partidos”.

O grupo será formado por seis membros. Um tucano experiente observou: “Com seis, tudo terá de ser feito por consenso. Não haverá um a mais para desempatar”. Para aecistas, o conselho é consultivo. Para serristas, o órgão terá função própria. Maioria no partido, o grupo do senador mineiro tem hoje mais condições de impor sua vontade.

    Leia tudo sobre: psdbjosé serraaécio nevesgeraldo alckmin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG