Em discurso de posse, deputado disse que sua eleição foi uma 'homenagem aos políticos perseguidos pelo Ministério Público'

selo

Em seu discurso de posse como presidente reeleito da Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado Barros Munhoz (PSDB) citou a Revolução Francesa e o iluminismo para se defender das acusações sobre o desvio de R$ 3,1 milhões do período em que administrou a Prefeitura de Itapira e atacou os promotores responsáveis pela denúncia de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. "A presunção de inocência é uma conquista da humanidade, desde o iluminismo e a Revolução Francesa e está escrito na Declaração Universal dos Direitos Humanos", afirmou. Barros Munhoz foi reeleito hoje com a votação de 92 dos 94 deputados estaduais.

AE
Barros Munhoz citou a Revolução Francesa e o iluminismo para se defender das acusações sobre o desvio de verba
O deputado iniciou o discurso lembrando o começo da carreira política, em 1976, quando foi eleito prefeito de Itapira pela primeira vez. O tucano já obteve seis mandatos parlamentares e também foi ministro da Agricultura no governo Itamar Franco. "Administrei mais de R$ 50 bilhões nesses cargos e todas as minhas contas nesses cargos foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado e da União", disse.

De acordo com o deputado, a representação do Ministério Público contra sua gestão (1997-2004) ainda não foi julgada pelo Judiciário e faz com que ele se torne "vítima de calúnia e injúria". "Fui condenado sem ter sido julgado e sem sequer ter tido a oportunidade de apresentar minha defesa". O deputado disse que foi ferido em sua honra. "Não dói no corpo, dói na alma".

Barros Munhoz considerou que sua reeleição hoje para a presidência da Assembleia é uma "homenagem" aos políticos que, segundo ele, são perseguidos pelo Ministério Público. "Esta votação de hoje não é uma homenagem pessoal a mim, é uma homenagem a todos os que sofrem, os políticos honestos que labutam e que têm sido alvo da injusta atuação de promotores que denigrem o Ministério Público".

Ao final, o deputado tucano agradeceu o apoio recebido de seus colegas de Casa e citou de Gonçalves Dias ao poeta português Fernando Pessoa: "Navegar é preciso, viver não é preciso".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.