Atentado foi ¿nosso 11 de setembro¿, diz Lewandowski

Presidente do TSE disse que magistrados precisam alterar ¿cultura da segurança¿ após atentado contra presidente do TRE-SE

Severino Motta, iG Brasília |

nullO presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, disse nesta sexta-feira, na 50ª Reunião de Presidentes do Tribunais Regionais Eleitorais, em Brasília, que o dia 18 de agosto para a magistratura brasileira equivale ao 11 de setembro para o mundo. De acordo com ele, a partir de agora é preciso se repensar a segurança dos juízes no país.

“O dia 18 de agosto para os magistrados brasileiros equivale do ponto de vista simbólico ao 11 de setembro para o mundo. É um momento de repensar a segurança dos magistrados e dos funcionários da Justiça”, disse.

Lewandowski fez menção ao atentado contra a vida do presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE), Luis Mendonça, numa das principais ruas de Aracajú. “Foram mais de 30 tiros de grosso calibre, para nossa felicidade os criminosos não tiveram sucesso”, disse.

Ao discursar para os presidentes dos Tribunais, Lewandowski frisou a necessidade de se ampliar a segurança dos magistrados. Ele defendeu o aumento no número de funcionários concursados para a Justiça e a criação de um sistema de inteligência policial.

“Nosso foco tinha sido o da segurança patrimonial, temos dificuldade com a segurança dos magistrados, que é feita as vezes por terceirizados. Temos que ampliar o número de concursados e criar um sistema de inteligência para nos anteciparmos a possíveis atentados. Temos também que pensar na segurança dos familiares”, disse.

O presidente ainda orientou os magistrados a cortarem hábitos, tomarem rotas diferentes para o trabalho e terem cuidado com a divulgação da agenda pública de atividades. “Infelizmente, desde o atentado, teremos que tomar esse tipo de atitude”.

Inquéritos

Lewandowski disse que dois inquéritos estão sendo desenvolvidos párea apurar o crime contra Luis Mendonça. Um pela Polícia Federal outro pelas autoridades estaduais. “Se o crime for comum ficará a cargo da Polícia Estadual, se for eleitoral a Polícia Federal vai tocar o inquérito”, disse.

Força Nacional

O ministro disse aos presidentes dos TRE’s que o TSE conta com dotação orçamentária para enviar contingentes da Força de Segurança Nacional para os Estados. Pediu, contudo, parcimônia na utilização do recurso.

“O custo é elevado. Por isso peçam somente em casos onde haja necessidade real de sua utilização”.

    Leia tudo sobre: tseatentadoeleiçõessegurança11 de setembro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG