Associação de magistrados defende apuração minuciosa de denúncias

Operações atípicas de juízes e servidores chega a R$ 856 milhões, segundo Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf

Agência Brasil |

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região (Amatra 1) defendeu hoje (16) a apuração minuciosa das denúncias de irregularidades em movimentações financeiras atípicas feitas em 2002 no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Essas movimentações foram objeto de relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) , do Ministério da Fazenda, encaminhado à Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ).

Leia também: Tribunal de Justiça fixa prazo para juízes declararem bens em SP

"A Amatra 1 exige e apoia a apuração minuciosa de denúncias para que não pairem dúvidas sobre a conduta dos juízes do Trabalho da 1ª Região", diz nota assinada pela presidenta da associação, Áurea Sampaio. Segundo Áurea, a Amatra 1 está pronta a prestar esclarecimentos sobre pontos relacionados a seus associados.

Nesta tarde, em entrevista coletiva, o vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), Carlos Alberto Araújo Drummond, falará sobre as suspeitas de irregularidades no tribunal. Drummond substituirá na entrevista a presidenta do TRT-RJ, Maria de Lourdes Sallaberry, que teve um problema de saúde.

    Leia tudo sobre: Janice Ascaricrise no JudiciárioCNJJustiçaprocuradorOAB

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG