Assembleia de Goiás deve instalar “CPI Carlinhos Cachoeira"

Deputado autor do requerimento afirma ter 13 assinaturas e mais três deputados estão dispostos a assinar o documento nesta terça

Wilson Lima, enviado a Goiânia (GO) |

A Assembleia Legislativa de Goiás (AL-GO) está próxima de instituir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a relação de políticos e de membros do poder executivo estadual com o empresário de jogos de azar, Carlinhos Cachoeira .

Leia também: Grupo de Cachoeira determinava até promoções de PMs em Goiás

O deputado estadual Luís Cesar Bueno (PT), autor do requerimento pedindo a instalação da CPI, afirma ter 13 assinaturas, de 14 necessárias. Três integrantes da base do governo já se manifestaram a favor da investigação. Eles devem ser assinar oficialmente o documento de instalação da CPI nesta terça-feira (10).

Entrevista ao iG: Demóstenes cometeu crime, diz líder do governo no Senado

Segundo o deputado estadual, a intenção da CPI é saber ao certo quais são as ramificações dentro do aparelho estatal da estrutura criminosa montada por Carlinhos Cachoeira. Ele acredita que isso pode ter colaborado para o aumento da criminalidade no Estado. No sábado (7), o iG revelou, com base no inquérito da Polícia Federal (PF) da Operação Monte Carlo, que as polícias Civil e Militar estavam a serviço de Cachoeira para a abertura e fechamento de bingos .

Já nesta segunda (9), o iG mostrou que o grupo de Cachoeira indicava até promoções de membros da Polícia Militar de Goiás (PM-GO) . “Estamos diante de um mega escândalo”, avaliou o petista. “As investigações da Polícia Federal indicam pelo menos 89 pessoas envolvidas, entre eles estão políticos e membros do Estado. Precisamos saber até que ponto vai isso”, complementou.

Leia também: Cachoeira tinha apoio de policiais e delegados da Polícia Federal
iG Explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

Na semana passada, surgiram revelações de que Carlinhos Cachoeira teria um vínculo com o então presidente do Departamento de Trânsito em Goiás (Detran-GO), Edivaldo Cardoso. Ele pediu exoneração do cargo. A chefe de gabinete do governador do Estado, Marconi Perillo (PSDB), Eliane Pinheiro, também pediu para se desvincular do executivo após ser flagrada em conversas telefônicas com Cachoeira. Nas conversas, ela falava sobre operações da Polícia Federal de Goiás com Cachoeira.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG