Artigo de jornal britânico critica tratamento de Obama a Dilma

The Guardian questiona americano por encontro rápido: ‘por que Obama se recusa a ter samba no pé?’

iG São Paulo |

Artigo do jornal britânico The Guardian publicado nesta quarta-feira (11) critica o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pelo tratamento dado à presidenta Dilma Rousseff , durante viagem de três dias ao país.

Leia também: Obama diz 'ter sorte' por encontrar em Dilma uma parceira

Hillary: EUA elogiam papel do Brasil, mas deixam Conselho de Segurança fora de pauta

EFE
A presidenta Dilma conversa com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na Casa Branca

Sob o título Todos querem falar com a presidenta Dilma, menos Obama , a publicação destaca o papel relevante do Brasil no cenário mundial e diz não entender por que só Índia e China – só para citar dois Brics (grupo que reúne o Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Su) - são recebidos com pompa.

O artigo faz até uma brincadeira dizendo que, se Obama aprendeu a dançar salsa, por que ele se recusa a ter samba no pé? Dilma encontrou o americano na segunda-feira (9) e os dois se reuniram por pouco mais de duas horas. Na ocasião, Obama declarou "ter sorte" por ter Dilma Rousseff como “parceira” .

Para o The Guardian, o encontro não teve grandes resultados práticos e citou como único destaque a importação de cachaça: “ótima notícia para os amantes da caipirinha, mas certamente não é um acordo de importância histórica mundial”.

Saiba mais: Relembre como foi a visita de Obama ao Brasil

Vistos: EUA abrirão dois novos consulados no Brasil

Outro destaque da visita, ainda segundo o jornal britânico, foi o fim da exigência de vistos para turistas brasileiros. A publicação diz que os Estados Unidos estão atrasados se estiverem com medo da imigração ilegal: “como se qualquer brasileiro hoje em dia viria para a América por um trabalho”.

A Casa Branca, no fim, não anunciou nada de concreto sobre o assunto, dizendo que as regras continuam as mesmas e ressaltando que os brasileiros conseguem a autorização de entrada no país em “apenas” 35 dias, resume o jornal.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG