Anastasia elogia Dilma por conceder aeroporto a empresa

Declaração do governador de Minas vem um dia depois de seu padrinho político, o também tucano Aécio Neves, ironizar a medida

Denise Motta, iG Minas Gerais |

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), classificou, nesta segunda-feira (02), como “excelente decisão” o processo de repasse dos aeroportos do Brasil para a iniciativa privada. Na semana passada, o governo federal informou que adotará o regime de concessão de serviços para reformas e ampliação das capacidades de aeroportos brasileiros .

“Excelente decisão. Acredito que Confins tem condições, até pela suas condições físicas, pela sua localização, pelo potencial logístico de Confins, de ser muito atrativo à parceria público-privada. Acho que foi uma iniciativa correta do governo federal, na medida das dificuldades conhecidas da Infraero, da realização das obras devidas, e vamos ter aí certamente um aeroporto em excepcionais condições para 2014”, disse, esquivando-se, depois, de responder questionamento sobre o atraso nas obras.

A reação de Anastasia é diferente de seu padrinho político, o senador e ex-governador de MInas Gerais, Aécio Neves (PSDB). Durante as comemoração do 1º de maio, ele ironizou a medida, dizendo: "Petistas de todo o Brasil, bem-vindos ao maravilhoso mundo das privatizações".

Nos últimos meses, Aécio tem feito diversas críticas ao governo Dilma Rousseff . Anastasia, por sua vez, é o governador mais visitado pela presidenta e tem tido uma relação amistosa com o Palácio do Planalto.

O aeroporto

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, a 40 quilômetros de Belo Horizonte, é a referência em Minas para atender a demanda da Copa 2014, mas suas obras estão atrasadas. Atualmente, o terminal já está saturado. A capacidade é de 5 milhões de passageiros por ano. Em 2010,  passaram pelo aeroporto 7,2 milhões de passageiros.

Atendendo a uma recomendação do Ministério Público Federal, a Justiça Federal em Minas suspendeu recentemente as obras de reforma e ampliação no aeroporto de Confins porque o projeto não apresentava um estudo de impacto ambiental. A Infraero recorre da decisão. Com as obras, o aeroporto chegaria a uma capacidade de 8,5 milhões de passageiros por ano, mas a expectativa é de que a demanda ultrapasse 10 milhões, ou seja, a obra, ainda que concluída a tempo, já estaria defasada.

Na semana passada o ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, afirmou que serão primeiramente atendidos pela concessão à iniciativa privada os aeroportos de Guarulhos (SP), Viracopos (Campinas, SP) e Brasília. Confins não está na lista de aeroportos contemplados, mas a expectativa é de que ele seja incluído em uma próxima etapa.

    Leia tudo sobre: Antonio AnastasiaDilma Rousseffaeroportos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG