Aliança se faz e se desfaz, diz presidente do PMDB sobre governo

"Não teremos qualquer problema em deixar cargos para lançar candidato em 2014", disse Valdir Raupp em Minas

Denise Motta, iG Minas Gerais |

Divulgação
Valdir Raupp, senador por Rondônia e presidente nacional do PMDB
O presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), afirmou na manhã desta sexta-feira que a legenda não sofreria nenhum constrangimento em deixar o governo Dilma Rousseff (PT) para lançar um candidato próprio à Presidência da República em 2014. “Não teremos qualquer problema em deixar cargos para lançar candidato em 2014. Aliança se faz e se desfaz em qualquer hora”, afirmou Raupp. Questionado se a afirmação era um sinal ao governo por conta da partilha de cargos na administração pública, Raupp negou.

Os nomes do vice-presidente da República, Michel Temer , e do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, estão sendo preparados e ganharão destaque nas inserções e programas do PMDB na TV e no rádio, avisou o dirigente peemedebista. Raupp desembarcou em Belo Horizonte com o presidente da Fundação Ulysses Guimarães, ex-ministro dos Transportes e ex-deputado federal Eliseu Padilha, para ser a o principal nome de um encontro com lideranças peemedebistas da região metropolitana de Belo Horizonte.

Padilha destaca haver um desejo das bases partidárias em lançar candidato em 2014 para a sucessão de Dilma. Ele ressalta que o erro em não preparar nomes para o cargo máximo do Executivo será corrigido e o lançamento de pré-candidatos faz parte de uma estratégia de negociação política. “O PMDB sente-se absolutamente livre para conduzir o seu processo de poder. Podemos fazer aliança, mas temos que ter candidato para negociar”, frisou. O processo de escolha, de acordo com Padilha, deve se dar por meio de prévias.

A respeito das propostas do PMDB para o país, Padilha destacou como tema principal a Educação, pois o Brasil, “em franco processo de desenvolvimento”, tem déficit de mão de obra qualificada. Padilha e Raupp também colocaram como prioridades do projeto peemedebista a implementação das reformas tributária e política, além de melhorias nos indicadores da saúde e da segurança pública.

O PMDB sente-se absolutamente livre para conduzir o seu processo de poder. Podemos fazer aliança, mas temos que ter candidato para negociar”

Fusão com PSD

Entre os planos para a legenda, diz Raupp, não está descartada uma fusão com o PSD, sigla em fase de criação, idealizada pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. “O Kassab me disse que não descarta a fusão do PSD com o PMDB. Somos simpáticos a essa ideia”, afirmou Raupp. Ele disse, entretanto, não acreditar que o PSD consiga viabilizar sua estrutura para disputar as eleições municipais de 2012. “Até setembro não dá tempo para se estruturar.”

Há orientação da Executiva Nacional de lançar candidatos para todos os cargos, proporcionais e majoritários, nas eleições do ano que vem. O nome do deputado federal Gabriel Chalita , que deverá sair do PSB para ser lançado candidato a prefeito de São Paulo pelo PMDB, é um exemplo de que a orientação da Executiva Nacional do partido será seguida, lembra Raupp.

Em Belo Horizonte existem quatro pré-candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte, informou o presidente do PMDB de Minas Gerais, deputado federal Antonio Andrade. Estão no páreo os deputados federais Leonardo Quintão, os estaduais Sávio Souza Cruz e Vanderlei Miranda, além do vereador Iran Barbosa.

    Leia tudo sobre: Valdir Raupp. PMDB

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG