Aliados podem facilitar ida de Paulo Bernardo para Comunicações

Pasta passou a ser citada como provável destino do atual ministro do Planejamento, agora que Palocci aceitou a Casa Civil

Adriano Ceolin, iG Brasília |

De saída do Ministério do Planejamento, Paulo Bernardo conta com aliados em postos-chave da pasta das Comunicações, que passou a ser apontada como seu possível destino no governo da presidenta eleita Dilma Rousseff . Bernardo chegou a ser cotado como potencial ocupante da Casa Civil, posto que foi aceito pelo ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

Estatal vinculada à pasta das Comunicações, a Telebrás é comandada por um homem de confiança de  Bernardo. Trata-se de Rogério Santanna. Antes de presidir a empresa, Santana foi secretário de Logística do Ministério do Planejamento. Bernardo é visto como principal padrinho dele na estatal.

O ministro também tem um aliado forte na presidência dos Correios: David José Matos foi nomeado depois que o atual ministro do Planejamento e a então ministra-chefe da Casa Civil Erenice Guerra fizeram uma intervenção na empresa a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em julho deste ano. Apesar de mais ligado a Erenice, Matos contou com o aval de Bernardo.

Agência Estado
Paulo Bernardo está confirmado no governo e agora pode ir para Comunicações
No comando das Comunicações há seis anos, o PMDB até deve aceitar entregar a pasta a um petista como Bernardo. No entanto, o partido quer escolher um ministério em troca. Entre 2004-2005, o senador eleito Eunício Oliveira foi o ministro. De 2005 até abril deste ano, a pasta ficou sob o comando do senador Hélio Costa (PMDB-MG).

Costa disputou o governo de Minas Gerais e acabou derrotado no primeiro turno por Antonio Anastasia (PSDB). Nesta quarta-feira, ele pediu para ser incluído na lista de ministeriáveis do partido e demonstrou disposição em voltar a comandar as Comunicações. Contudo, de acordo com aliados próximos a Costa, seu objetivo é presidir Furnas Centrais Elétricas.

Presidente do PMDB de Minas Gerais, o deputado Antonio Andrade (MG) confirma a vontade de Costa. “Não podemos perder as Comunicações, mas o Helio quer mesmo é ir para Furnas”, disse. Segundo Andrade, o deputado Leonardo Quintão outro integrante do PMDB-MG seria opção para as Comunicações.

Um dos principais articuladores da bancada do PMDB na Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) afirma que Quintão “é um bom nome”. “Mas eu nunca participei de qualquer negociação sobre isso”, disse Cunha. “O PMDB decidiu que a participação do partido no ministério tem de ser conduzida por Michel Temer (vice-presidente eleito”, disse.

Temer teria recebido de Dilma a sinalização de que o partido poderá ter até cinco pastas. No entanto, até agora, não foi dito quais serão os ministérios. Duas deverão ficar com a bancada do Senado e outras duas com a bancada da Câmara. A quinta pasta seria uma indicação do vice-presidente eleito.

Na semana passada, o iG divulgou que o PMDB prioriza os ministérios da Agricultura e Minas e Energia. O atual ministro da Agricultura, Wagner Rossi, é ligado a Temer. Na pasta de Minas e Energia, José Sarney (PMDB-AP) e o resto da bancada do Senado defendem a volta de Edison Lobão (PMDB-MA).

    Leia tudo sobre: governo Lulapaulo bernardoministériosdilma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG