Os dois pretendem se aproveitar de uma crise aberta após o fracasso do lançamento do deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP)

Os deputados Aldo Rebelo (PC do B-SP) e Julio Delgado (PSB-MG) resolveram fazer um pacto para disputar a Presidência da Câmara contra o petista Marco Maia (RS). Os dois pretendem se aproveitar de uma crise aberta após o fracasso do lançamento do deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), até então favorito para ficar com o comando da Câmara.

Segundo o iG apurou, Rebelo e Delgado fizeram uma análise conjunta na quarta-feira, um dia após a decisão do PT em lançar Maia como candidato. Os dois avaliam que o petista gaúcho começa do zero sua campanha no momento em que há insatisfações na base aliada. Juntos, Rebelo e Delgado imaginam ter força para levar a disputa para o segundo turno contra Maia.

Rebelo e Delgado são de partidos da base aliada (respectivamente, PC do B e PSB), mas têm bom trânsito na oposição. Em 2007, o comunista foi apoiado por DEM e PSDB quando tentou a reeleição. Delgado já foi do PMDB, do PPS e mantém boa relação com o ex-governador de Minas Gerais e senador eleito Aécio Neves (PSDB).

O principal objetivo, porém, é ampliar o racha na base governista. O PMDB mineiro já deu sinais a Delgado que poderá apoiá-lo. Os peemedebistas de Minas ficaram irritados com o líder Henrique Eduardo Alves (RN) na reta final das negociações para a formação do ministério da presidente Dilma Rousseff (PT).

Leonardo Quintão (PMDB-MG) tentou ser indicado para as Comunicações. “Fomos esquecidos”, disse. Agora, um grupo integrado também pelo deputado eleito Newton Cardoso (PMDB-MG) ameaça lançar um nome para disputar o posto de líder com Alves. No PP, PSC e PTB, também já foram identificados insatisfeitos.

Visão do Planalto

Para Aldo, a principal tarefa será conquistar apoio dentro do PT. Marco Maia mostrou ter força em diferentes correntes do partido, mas ainda não é visto como confiável pela cúpula do partido. Ele também não era preferido por Dilma. Assessores próximos a ela avaliam que Maia ainda é uma incógnita e preferiam Vaccarezza.

Petistas articuladores da candidatura de Maia também querem ampliar sua interlocução com o Planalto. O grupo liderado por Maurício Rands (PE), Arlindo Chinaglia (SP) e Ricardo Berzoini (SP) não gostaram de se ver excluídos das principais decisões de governo e, sobretudo, da formação do ministério da presidenta Dilma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.