Ala ligada a Cid Gomes tenta derrubar direção do PSB de Fortaleza

Eles reclamam de falta de diálogo com presidente da sigla, que lançou a pré-candidatura da irmã à prefeitura da capital do Ceará

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

Convivemos com grupos difíceis e nunca optamos por intervenção, sempre buscamos o caminho político. Nós recebemos isso como uma intolerância, como uma estupidez”

A ala do PSB de Fortaleza ligada ao governador Cid Gomes (PSB) quer derrubar a direção municipal do partido e eleger uma nova executiva. Eles se dizem insatisfeitos com a falta de diálogo com o presidente municipal Sérgio Novais, que teria criado um “partido paralelo”. Novais nega as acusações e afirma que Cid Gomes “não aceita o contraditório”.

A disputa interna do PSB de Fortaleza não é de hoje, mas se intensificou nos últimos meses. A ala histórica, que fundou o partido no Ceará e à qual pertence o presidente municipal, diverge do grupo liderado pelos irmãos Cid e Ciro Gomes desde que os dois aportaram no partido, em 2005. Com as divergências sobre a sucessão em Fortaleza, os ânimos se acirraram.

Sérgio Novais lançou em junho a pré-candidatura de sua irmã, a deputada Eliane Novais. Os dois falam em manter a aliança, mas com o PSB encabeçando a chapa e o PT como vice, desta vez. O grupo ligado a Cid não gostou e reuniu o diretório municipal para anular a ata da reunião que havia definido a pré-candidatura. Agora, o grupo cidista quer destituir a executiva municipal e pôr fim a concorrência dentro da sigla.

“Nunca tinha acontecido isso na história do PSB no Ceará. Nesses 65 anos, nunca houve algo parecido. Convivemos com grupos difíceis e nunca optamos por intervenção, sempre buscamos o caminho político. Nós recebemos isso como uma intolerância, como uma estupidez”, disse à reportagem do iG Sérgio Novais. Ele atribui o movimento ao seu adversário na sigla, Cid Gomes. "Ele manipula. Ele cooptou os integrantes do partido, deu cargos”, finaliza Novais.

O vice-presidente municipal, Karlo Kardozo, um dos que defendem a eleição de uma nova diretoria, afirmou que o lançamento da pré-candidatura de Eliane Novais é uma das principais motivações para a destituição. “Isso incomodou setores que não participaram dessas discussões. A maioria do diretório compreende que não é o momento. Antes de apontar candidaturas, nomes, a melhor forma de trabalhamos é criar planos de governo”, ponderou. O PSB é o principal aliado da administração petista em Fortaleza da prefeita Luizianne Lins.

A parceria entre PSB e PT no Ceará começou em 2004, quando os socialistas apoiaram a candidatura desacreditada de Luizianne. Na época, boa parte do partido - incluindo a direção nacional - aportou na candidatura derrotada de Inácio Arruda (PCdoB). Em 2008, as bodas foram renovadas com a reeleição da prefeita. Nesse meio tempo, em 2006, o PSB se beneficiou com a vitória do governador Cid Gomes e, em 2010, com sua reeleição folgada logo no primeiro turno – sempre com o apoio do PT.

O secretário de finanças do PSB, Rogério Pinheiro, era o presidente do diretório municipal quando o PSB resolveu apoiar Luizianne em 2004. Ao lado de Sérgio Aguiar, foi um dos articuladores desse apoio. Hoje, os dois estão de lados opostos. Pinheiro também deseja ver a queda da atual direção. Ele nega, contudo, que Cid Gomes esteja por trás do movimento de destituição. “Jamais toquei nesse assunto com o governador. Essa definição é um processo que vem de longe”, disse.

    Leia tudo sobre: cid gomessérgio novaispsbfortalezaeleições 2012

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG