Agnelo se irrita com Rosso durante transição em Brasília

Eleito disse que atual governador quer inagurar obras em tempo indevido e que problemas podem ficar para nova administração

Severino Motta, iG Brasília |

O governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), disse nesta quinta-feira que o governador Rogério Rosso (PMDB) não está cumprindo um acordo feito entre os dois, para que ações tomadas pela atual administração fossem discutidas pela equipe de transição. De acordo com ele, a promoção de concurso para vagas na Saúde e a pretensão de inaugurar obras podem trazer problemas para a gestão que se inicia em 2011.

“Ele (Rosso) diz que está nos ouvindo, mas não está”, disse.

Agnelo criticou a pretensão do atual governador de inaugurar uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) na próxima semana e a realização de concurso público para preencher vagas no hospital de Santa Maria, com o início do emprego em janeiro.

“Não é hora de inaugurar sem planejamento. Agora tem que fazer tapa buraco, manter o abastecimento na Saúde (...) Ele diz que está nos ouvindo mas não está”, comentou Agnelo, completando que “se for para fazer assim, que diga que não está combinado conosco”.

Sobre a intervenção feita no hospital de Santa Maria, que prevê a realização de concurso público, o governador eleito disse que “é fácil fazer intervenção e deixar para o outro cuidar”.

Além dos problemas, a equipe de transição tem encontrado dificuldade para coletar documentos do atual governo. Uma reunião teve de ser realizada nesta quinta-feira, entre a atual e a futura administração para acelerar a troca de informações, que está precária principalmente na área social.

Apesar das críticas, Agnelo disse que, caso Rosso não tivesse sido internado no começo da semana devido a um problema congênito no coração, talvez fosse possível que as divergências na área da Saúde fossem resolvidas.

Rosso, que recebeu alta nesta quinta-feira, deve se reunir com o governador eleito para tentar resolver o impasse. Ao sair do hospital ele disse que vai compartilhar “o que está acontecendo” no governo com Agnelo para que uma decisão conjunta seja tomada.

Assessores de Rosso, contudo, disseram ao iG que Agnelo está tentando ser governador antes do tempo e argumentaram que o mandato vai até 31 de dezembro. Eles ainda defenderam a inauguração de obras, e não somente da UPA.

    Leia tudo sobre: rossoagnelotransiçãobrasíliadf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG