Governador do Rio de Janeiro diz ser a favor da criação de um novo imposto para financiar o setor de saúde

selo

Governador do Rio saiu em defesa da volta do chamado 'imposto do cheque'
Agência Brasil
Governador do Rio saiu em defesa da volta do chamado 'imposto do cheque'
O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral , disse ser favorável à volta da Contribuição sobre Movimentação Financeira (CPMF) para financiar a saúde. Cabral, que esteve reunido com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defendeu um financiamento próprio para o setor de saúde, assim como existe para a educação.

"Foi uma covardia a extinção da CPMF. Fez muito mal, não ao governo do (ex) presidente Lula, mas ao povo brasileiro", afirmou Cabral. Ele disse que assinará a carta que está sendo preparada por alguns governadores em apoio ao retorno da CPMF. "Claro que assino. Acho fundamental esse financiamento à saúde", afirmou.

O governador argumentou que não é possível financiar a Saúde somente com os atuais recursos arrecadados pelo governo. "O Brasil está expandindo cada vez mais os seus investimentos e é o motivo da alavancagem do crescimento econômico brasileiro", disse.

Segundo ele, investimentos como do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do programa Minha Casa Minha Vida têm exigido mais recursos públicos. "O governo brasileiro tem o papel junto com os governos estaduais e municipais de alavancadores da economia brasileira", afirmou.

Ele disse também que não se pode sacrificar a meta de superávit primário para aumentar os gastos da Saúde. "O governo brasileiro tem tido a preocupação com a macropolítica-econômica para garantir estabilidade inflacionária e garantir o crescimento. Quando se fala em superávit primário, não é um palavrão, é um sinônimo de responsabilidade fiscal", afirmou Cabral.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.