Paulo Vieira de Souza, o “Paulo Preto”, ocupou cargos na gestão do tucano José Serra; ele teria desviado R$ 10 milhões em obras do Rodoanel

Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa-SP,  é acusado de desviar R$ 10 milhões
Antonio Augusto/Agência Câmara
Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa-SP, é acusado de desviar R$ 10 milhões

Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto e tido como operador de propinas do PSDB, foi denunciado pelo Ministério Público Federal nesta quinta-feira (22). Ele é suspeito dos crimes de formação de quadrilha, inserção de dados falsos em sistema público de informação e desvio de dinheiro público.

Leia também: Maioria do STF vota por proibir doações ocultas para campanhas eleitorais

Esta é a primeira denúncia feita pela força-tarefa da Lava Jato em São Paulo. O grupo foi composto em julho de 2017 para apurar desdobramentos da ação no estado. A informação é do jornal Folha de S.Paulo .

Paulo foi diretor da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) entre  e 2010, quando o hoje senador José Serra (PSDB) estava à frente do governo do estado. Para os procuradores, ele teria desviado, nessa época, o equivalente a R$ 10 milhões em valores atuais de obras tocadas pela empresa.

O dinheiro, originalmente, deveria ser destinado a moradores de locais onde seriam feitas obras de extensão do Rodoanel, que circunda a capital de São Paulo. Com a cumplicidade de três pessoas, Paulo Preto teria fraudado cadastros de moradores para efetuar o desvio dos valores.

Denúncias desse tipo já haviam sido feitas pela promotoria em 2015 e 2016; na ocasião, contudo, a justiça determinou que ações do gênero extrapolavam as competências dos procuradores.

Leia também: João Doria se torna réu por uso indevido da marca ‘Cidade Linda’

Não consta na nova denúncia, contudo, a informação compartilhada à Lava Jato pelo governo da Suíça de que Paulo Preto possui contas na Europa que chegam a R$ 113 milhões. O dinheiro, para a investigação, seriam propinas de empresas destinadas a campanhas eleitorais do PSDB.

 A peça acusatória também não menciona o senador José Serra, que foi quem nomeou Paulo. Já correm contra o tucano ações no Supremo que investigam sua conduta. Uma delas apura supostas propinas pagas pela Odebrecht a Serra em troca de favorecimento nas licitações do Rodoanel.

Os advogados de Paulo Preto pretendem fazer com que os processos em São Paulo sejam remetidos ao STF, somando-se aos processos lá já existentes que estão sob a responsabilidade do ministro Gilmar Mendes.

Dentro do PSDB, o clima é de apreensão. Por um lado há o alívio de nenhum político do partido ter sido citado; por outro, os dirigentes temem a reação de Paulo Preto à pressão que, a partir de agora, ele será submetido.

Leia também: "Você é o mal com pitadas de psicopatia", dispara Barroso a Gilmar no STF

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.